Banco central da Suécia admite aumentar taxas de juro pela primeira vez em sete anos

O ritmo de crescimento do maior país da Escandinávia, que tem sustentado a inflação, é a justificação do Sveriges Riksbank.

O banco central da Suécia, o Sveriges Riksbank, poderá aumentar as taxas de juro, pela primeira vez em sete anos, se o ritmo de crescimento do maior país da Escandinávia continuar a sustentar a inflação, foi anunciado esta quarta-feira.

“Se a economia se desenvolver de forma a continuar sustentando as perspetivas de inflação, o conselho executivo considera que, em breve, será apropriado começar a aumentar a taxa de recompra a um ritmo lento”, lê-se no comunicado do Riksbank.

A orientação do banco central sueco está em linha com o pronuncio anterior, que deu aos legisladores da Suécia um intervalo de tempo entre dezembro e fevereiro para assegurar um aumento de 25 pontos base. O banco manteve sua taxa principal em menos 0,5%, como esperado pelos economistas, de acordo com a agência de notícias económicas e financeiras “Bloomberg”.

O economista-chefe do Sveriges Riksbank, Robert Bergqvist, considerou a mensagem do banco “cristalina” e diz que os políticos suecos estão prontos para criar condições para um aumento de 0,25 pontos percentuais em dezembro deste ano, ou fevereiro de 2019. “Alguns aumentos das taxas não são uma ameaça ao crescimento económico ou aos preços das casas”, lê-se num tweet.

O Estado sueco já negociou esta quarta-feira a coroa sueca a 0,1% mais baixo face ao euro.

Do lado político da questão, os políticos pretendem recuperar um ambiente de taxa de juro “mais normal”, sublinha a “Bloomberg”. A inflação mostra sinais de estabilização em torno da meta de 2% do Riksbank, equanto o crescimento económico supera a média da União Europeia e o desemprego cai. Para se afastarem de um período histórico de estímulo monetário, os esforços suecos seguem as medidas adotadas por vários dos principais bancos centrais do mundo, sobretudo da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed).

Ler mais
Recomendadas

Wall Street anima com notícias da Fed e fecha no verde

Hoje instituição liderada por Jerome Powell disse que a taxa de juro diretora vai continuar no intervalo entre 2,25% e 2,50%, após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira. O Dow subiu 0,15%.

Powell responde a Trump: “Tenho um mandato de quatro anos e pretendo cumpri-lo”

A guerra de palavras entre os presidentes da Fed e dos Estados Unidos não dá sinais de quebra. “A lei é clara”, disse Powell sobre o mandato, depois de Trump ter mostrado reticência quando questionado sobre um eventual plano para demitir o ‘chairman’ do banco central.

Fed mantém taxa inalterada, mas troca “paciente” por “agir de forma apropriada”

A ‘federal funds rate’ continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.
Comentários