Banco de Portugal instaura 23 processos de contraordenação no terceiro trimestre

O supervisor decidiu também 30 processos de contraordenação, na sequência dos quais aplicou seis admoestações e coimas que totalizaram 559,59 mil euros, dos quais 226,5 mil euros suspensos na sua execução.

No decurso do terceiro trimestre de 2019 o Banco de Portugal instaurou 23 e decidiu 30 processos de contraordenação. Os dados foram divulgados pelo Banco de Portugal.

“No contexto das decisões proferidas foram aplicadas 6 admoestações e aplicadas coimas que totalizaram 559.500,00 (quinhentos e cinquenta e nove mil e quinhentos euros), dos quais 226.500,00 (duzentos e vinte e seis mil e quinhentos euros) suspensos na sua execução”, revela o supervisor bancário.

Dos 30 processos decididos, 11 respeitam a infrações de natureza comportamental, 11 respeitam a infrações de natureza prudencial, 4 respeitam a infrações relacionadas com atividade financeira ilícita, 3 respeitam a infrações às regras em matéria de re-circulação de numerário e 1 respeita a infrações a deveres relativos à prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo, detalha o supervisor.

 

Recomendadas

BPI vende carteira de 200 milhões de créditos não produtivos e ativos imobiliários

Esta carteira tinha um valor bruto total de cerca de 200 milhões de euros, referentes a aproximadamente 1.800 contratos de créditos e 120 imóveis.

Governador do BdP e presidente da APB vão ser ouvidos no Parlamento sobre comissões bancárias

Só no ano passado, os bancos cobraram 3649 milhões de euros em comissões, o que se traduz num aumento de 142 milhões de euros face ao ano anterior. Por mês são cobrados, em média, mais de 12 milhões de euros em comissões bancárias, sendo este o valor mais alto desde 2015.

Reserva Federal extingue ação contra o BES sobre filial norte-americana

Em 2012, as autoridades de regulação norte-americana abriram uma ação contra o BES e a filial norte-americana ESCLINC, por este ter vendido serviços de consultoria e corretagem de investimentos, entre 2004 e 2009, sem habilitação. Sete anos depois anunciou o fim da ação.
Comentários