Banco de Portugal reconhecido pela Alliance for Financial Inclusion pela inclusão financeira

Os prémios da AFI distinguem, anualmente, os membros que mais contribuíram para promover a inclusão financeira das populações e apoiar os países membros desta organização.

Cristina Bernardo

A Alliance for Financial Inclusion (AFI) atribuiu ao Banco de Portugal e ao Banco Central do Brasil o Prémio Especial 2018, como reconhecimento pelo contributo destes dois bancos centrais para o reforço das políticas de inclusão e formação financeira dos bancos centrais de países de língua portuguesa (BCPLP), no quadro do protocolo de cooperação celebrado entre os BCPLP e a AFI em 2017, anuncia o banco central português em comunicado.

Os prémios da AFI distinguem, anualmente, os membros que mais contribuíram para promover a inclusão financeira das populações e apoiar os países membros desta organização.

Segundo a nota, o prémio foi atribuído em Sochi, na Federação Russa, à margem da 10.ª edição do Global Policy Forum, o principal fórum anual da AFI, no qual os membros se reúnem para discutir o desenvolvimento e a implementação das estratégias nacionais de inclusão financeira.

O Banco de Portugal foi convidado pela AFI a participar neste fórum (acolhido este ano pelo Banco Central da Federação Russa), que contou com cerca de 600 participantes de mais de 90 países, integrando essencialmente delegações de bancos centrais.

O protocolo de cooperação entre os bancos centrais de países de língua portuguesa (BCPLP) e a AFI foi celebrado aquando do 3.º Encontro sobre Inclusão e Formação Financeira dos BCPLP, realizado em Lisboa a 6 e 7 de julho de 2017. “O protocolo enquadra a colaboração institucional entre os BCPLP e a AFI, com vista à promoção da inclusão e da formação financeiras nos países de língua portuguesa, nomeadamente pela partilha de informação e de experiências sobre o desenvolvimento de metodologias adequadas a diferentes públicos e a diferentes contextos sociais e económicos”, diz o BdP.

“O protocolo veio reforçar a cooperação que já existia entre os BCPLP neste domínio com o conhecimento e a experiência da AFI, uma organização internacional de referência na promoção de iniciativas de inclusão e de formação financeira especialmente dirigidas às populações mais desfavorecidas”, refere o comunicado.

A Alliance for Financial Inclusion é a principal ONG no domínio da inclusão e formação financeira, sendo reconhecida como “implementing party” pelo G20 e integra bancos centrais e outras entidades reguladoras do sistema financeiro de mais de 90 países em desenvolvimento.

Tem como principal objetivo promover a inclusão financeira e o acesso das populações a serviços financeiros de qualidade, através da partilha de conhecimentos, da identificação de melhores práticas e da capacitação dos decisores públicos.

Ler mais
Recomendadas

Miguel Maya garante “total alinhamento” do BCP com os trabalhadores e reitera que compensação em falta depende dos resultados do banco

O líder da comissão executiva do BCP, Miguel Maya, reiterou que, enquanto a compensação aos trabalhadores não for integralmente concluída, a sua equipa não recebe a remuneração variável a que tem direito. Esta tarde, a assembleia-geral do banco aprovou com quase 100% dos presentes a compensação de 12,6 milhões aos trabalhadores, que equivale a um terço do que ainda têm a receber.

Sindicatos saíram a pedir aumentos duas horas antes da assembleia-geral do BCP terminar

Passavam poucos minutos das quatro da tarde e já a concentração de manifestantes tinha abandonado o parque junto ao edifício, no Taguspark, onde se realizou a assembleia-geral do BCP. Compensação faseada aos trabalhadores de 12,6 milhões foi aprovada com 99,98% dos votos.

BCP: distribuição de dividendos e compensação aos trabalhadores aprovadas com 99,98% dos votos

Realizou-se esta quarta-feira a assembleia-geral anual do Millennium bcp, onde estiveram representados 64,5% do capital. Os acionistas aprovaram a distribuição de dividendos no valor de 30 milhões, assim como a compensação de 12,6 milhões aos trabalhadores que, entre 2014 e 2017, tiveram cortes salariais.
Comentários