Banco Mundial modificou “injustamente” relatórios que afetaram o Chile

O economista-chefe do Banco Mundial, Paul Romer, assegurou que vai corrigir a situação e recalcular os “rankings” de competitividade nos negócios que constam do relatório “Doing Business” dos últimos quatro anos, período que coincidiu com o mandato da presidente Michelle Bachelet.

Ler mais

O Banco Mundial alterou as metodologias de cálculo de um dos seus relatórios de forma “injusta e enganosa” durante vários anos, o que afetou a posição do Chile quanto a competitividade empresarial, informou hoje o “The Wall Street Journal”.

O economista-chefe do Banco Mundial (BM), Paul Romer, declarou ao jornal que vai corrigir a situação e recalcular os ‘rankings’ de competitividade nos negócios que constam do relatório “Doing Business” dos últimos quatro anos, período que coincidiu com o mandato da presidente Michelle Bachelet.

Romer acrescentou que a revisão vai afetar o Chile, cuja posição nessa lista foi “particularmente volátil” nos últimos anos devido a “motivações políticas” do Banco Mundial.

Segundo o mesmo responsável, as alterações na metodologia de cálculo “penalizaram fortemente” a posição do Chile no mandato mais recente de Bachelet e as correções vão centrar-se nisso.

“Quero pedir desculpas ao Chile e a qualquer outro país ao qual possamos ter transmitido uma impressão errada”, disse Romer, que assumiu a “culpa” pelo ocorrido.

A posição do Chile na lista variou entre o número 25 e 57 desde o ano de 2006, um período em que alternaram no poder a socialista Bachelet e o conservador Sebastián Piñera.

No período de Bachelet a posição do Chile no ‘ranking’ deteriorou-se repetidamente, mas “subiu” com Piñera.

Recomendadas

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.
Comentários