Bancos espanhóis aumentam comissões até 50% aos clientes “não rentáveis”

Os clientes “não rentáveis” são aqueles que não domiciliam o processamento de salários no banco, ou realizam operações básicas em agências que poderiam fazer através de canais digitais.

A banca espanhola tem vindo a aumentar substancialmente as comissões que cobra pelos produtos que comercializa, sobretudo para os clientes que considera não serem rentáveis, segundo noticia o jornal “El Economista”, baseando-se em dados recolhidos pelo Banco de Espanha.

Esses clientes “não rentáveis” são aqueles que não domiciliam o processamento de salários no banco em causa, ou realizam operações básicas em agências que poderiam fazer através de canais digitais, especifica o mesmo jornal. “De forma genérica, os clientes que domiciliam os salários beneficiam de tarifas zero nos serviços mais correntes”, destaca.

De acordo com os dados do Banco de Espanha sobre as comissões mais frequentes, durante o primeiro trimeste de 2018, os preços cobrados aos clientes menos rentáveis aumentaram até 50%. No Ibercaja, por exemplo, as transferências em agências aumentaram precisamente 50%. Ao passo que no Bankia, por sua vez, a anuidade do cartão de débito aumentou 40%.

“No setor defende-se que os serviços e produtos têm um custo e, portanto, os cidadãos têm que ter consciência de que a sua contratação tem que implicar um pagamento adequado”, salienta o “El Economista”. Mais, invoca-se um estudo da Deloitte, segundo o qual o sistema bancário espanhol oferece um maior número de serviços aos seus clientes do que os congéneres europeus.

Recomendadas

Investigação ao “apagão fiscal” parada há 19 meses

“Intolerável”, diz Ana Gomes numa carta à PGR, alertando que o inquérito a transferências de 10 mil milhões “não avançou absolutamente nada”.

Portugal negoceia com Brasil venda de leite dos Açores

O secretário de Estado da Internacionalização português afirmou hoje à Lusa que está a negociar com o Brasil medidas que permitam a exportação de leite dos Açores para aquele mercado.

Vistos Gold: Investimento chinês cai 41% para 60 milhões de euros no 1.º trimestre

O investimento oriundo da China captado através dos ‘Vistos Gold’ caiu 41% no primeiro trimestre, face a igual período de 2018, para 59,6 milhões de euros, segundo dados estatísticos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).
Comentários