Bankinter com lucros de 444 milhões no terceiro trimestre

A 30 de setembro de 2019 o Bankinter obtém um resultado líquido de 444,4 milhões de euros, mais 10,1% do que no mesmo período do ano anterior, e um resultado antes de impostos de 587,8 milhões, um crescimento de 6,3%. Em Portugal o crédito concedido a empresas cresce 34%.

O Bankinter alcançou um resultado de 444,4 milhões de euros, um crescimento de 10,1%.

“A 30 de setembro o Grupo Bankinter obtém um resultado líquido de 444,4 milhões de euros e um resultado antes de impostos de 587,8 milhões de euros, o que traduz aumentos em relação ao ano anterior de 10,1% e 6,3%, respetivamente. Estes resultados incorporam os números do EVO Banco e da sua filial de consumo na Irlanda, a Avantcard, cuja integração no Grupo ocorreu no segundo trimestre do ano”, explica a instituição em comunicado.

Excluindo os efeitos da aquisição do EVO Banco e as suas contas consolidadas, o resultado líquido seria de 412,3 milhões de euros e o resultado antes de impostos de 567,8 milhões de euros, o que significa um crescimento de 2,1% e de 2,7% respetivamente, em base comparada.

O ROE, ou rentabilidade dos capitais próprios, com um valor de 12,64%, “mantém-se como um dos pontos fortes do Grupo Bankinter”.

O Bankinter Portugal tem o crédito concedido e os recursos captados a crescerem a dois dígitos: 14% e 15%, respetivamente. “Destaca-se especialmente a boa evolução da carteira de crédito concedido a empresas, que cresce 34% face há um ano. No final do terceiro trimestre de 2019, o resultado antes de impostos do Bankinter Portugal ascende a 51 milhões de euros, ou seja, 17% acima do valor registado a 30 de setembro de 2018”, explica o  banco.

No que diz respeito à qualidade dos ativos do banco espanhol, o Bankinter mantém a liderança entre os bancos cotados em Espanha. O índice de morosidade situa-se em 2,73%, um valor que há um ano era de 3,20%.

Relativamente à solvência, o rácio de capital CET1 fully loaded registado no final do terceiro trimestre é de 11,57%, um valor superior ao do trimestre passado e “muito acima do requisito mínimo de capital exigido ao Bankinter pelo Banco Central Europeu que, para este ano, foi de 8,20%”.

Quanto à liquidez, o gap comercial (diferença entre o crédito concedido e os recursos de Clientes) reduz para 700 milhões de euros, enquanto que há um ano era de 3.700 milhões de euros, o que faz com que o rácio de depósitos sobre créditos se situe em 99,8%.

“Por último, sublinhe-se que, nos próximos dois exercícios e no que resta do atual, o banco tem previstos vencimentos de apenas 800 milhões de euros. Para fazer face a estes compromissos, o banco conta com ativos líquidos no valor de 14.700 milhões de euros e uma capacidade de emissão de obrigações de 6.000 milhões de euros”, acrescenta o banco.

Apesar de um contexto difícil, o negócio do Bankinter com Clientes continua a gerar receitas, o que se reflete nas diversas rubricas da conta de resultados, que crescem todas em comparação com o mesmo período de 2018. A margem de juros, cresce 7,3% relativamente ao fecho do terceiro trimestre de 2018, para 875,7 milhões de euros. Excluindo a contribuição do EVO Banco, esse crescimento seria de 4,5%.

A margem bruta atinge 1.544,8 milhões de euros, mais 4,9%, com as receitas líquidas provenientes de comissões a totalizarem 346,7 milhões, um crescimento de 4,3%, equivalendo a 22% do total desta margem. Sem contar com o EVO Banco, o crescimento da margem bruta seria de 3,1%.

Por sua vez, o Bankinter termina o terceiro trimestre com uma margem de exploração de 752 milhões de euros, mais 4,3% do que há um ano, sendo mais 7,4% se excluído o EVO. A integração desta entidade leva a um aumento de custos operacionais de 5,4%, embora excluindo os efeitos da aquisição do EVO Banco estes custos diminuam 1%. Por conseguinte, o rácio de eficiência da atividade bancária com amortizações é de 46,7% sem o EVO Banco e de 48,7%, considerando a integração desta entidade.

Em relação ao balanço do Bankinter, os ativos totais do Grupo, que desde 31 de maio deste ano incluem os negócios do EVO Banco e da Avantcard, totalizam 84.244 milhões de euros, o que representa um crescimento de 10,4% em relação a 30 de setembro de 2018.

O total de crédito a clientes é de 59.353,6 milhões de euros, mais 8,4% do que há um ano. Considerando apenas o negócio em Espanha e excluindo o do EVO Banco, o crescimento foi de 5%, em contraciclo com o setor que, de acordo com os dados de agosto do Banco de Espanha, diminuiu 1%.

Os recursos de Clientes de retalho totalizam 57.140,1 milhões de euros, mais 13,6%, ou mais 7% apenas em Espanha e sem o EVO Banco. Já os recursos fora de balanço atingem um património total de 29.321,9 milhões de euros, mais 2,7% que há um ano.

O Bankinter Consumer Finance, que opera o negócio de consumo do banco, alcançou 1,4 milhões de Clientes, mais 13% do que há um ano. A carteira de crédito totaliza 2.300 milhões de euros, mais 27% que em setembro de 2018. O volume de novos créditos nos primeiros nove meses de 2019 ascende a 622 milhões de euros, mais 37% do que o valor concedido no mesmo período de 2018.

Desde o passado dia 31 de maio que os negócios do EVO Banco e da filial de consumo na Irlanda, a Avantcard, estão integrados no banco.

 

Ler mais
Recomendadas

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.

BdP recomenda aos consumidores que atualizem os contactos junto do banco no processo de autenticação forte do cliente

Em comunicado, o BdP recomendou “aos consumidores que atualizem, até agosto, os seus contactos junto do seu banco/prestador de serviços de pagamento e que adiram às soluções de autenticação forte, idealmente até ao final de outubro, para continuarem a efetuar compras online com cartão”.

Ex-vice-presidente do BFA alertou regulador angolano para “incumprimento grave” das normas bancárias

O ex-vice-presidente do Banco de Fomento Angola (BFA), António Domingues, que apresentou demissão na semana passada, alertou o regulador angolano para o “incumprimento grave” das normas do setor bancário por parte de um vogal executivo da instituição financeira.
Comentários