Basílio Horta é o político mais rico em funções, com um património superior a 11 milhões de euros

Existem pelo menos 11 políticos em Portugal cujo património global é superior a um milhão de euros. Os números são revelados na edição semanal desta quinta-feira, da revista “Sábado”, através da documentação consultada no Tribunal Constitucional, em Lisboa.

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, é o político português em funções com um mais valioso património, contabilizado em mais de 11,5 milhões de euros, segundo noticia a revista “Sábado”, na edição publicada esta quinta-feira, 20 de setembro, que fez as contas com base nas declarações que os políticos são obrigados a entregar no Tribunal Constitucional.

Existem pelo menos 11 políticos em Portugal cujo património global é superior a um milhão de euros. Nesse processo encontram-se incluídos entre outras, as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do primeiro-ministro, António Costa, dos 17 ministros e 42 secretários de Estado que formam o atual Governo e dos 230 deputados da Assembleia da República.

A avaliação reflete contas bancárias, participações em empresas, investimentos financeiros ou bens imobiliários.

Se olharmos apenas para o rendimento anual, o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, é o único a auferir acima do milhão de euros (1,3 milhões), com o segundo posto a ser ocupado pelo secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d’Oliveira Martins, (401 mil euros), seguido do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (384 mil euros).

Existem 39 políticos com patrimónios globais de mais de 500 mil euros e 133 acima dos 100 mil euros. No total, membros do Governo, deputados e presidentes de câmara valem mais de 73 milhões de euros.

A “Sábado” revela também que em cerca de 83% das declarações analisadas pelos responsáveis do Tribunal Constitucional surgiram dúvidas em relação ao seu conteúdo.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPatrick Monteiro de Barros: “Berardo foi financiado pela estratégia de domínio do BCP de Sócrates”

Empresário e ex-acionista do Grupo Espírito Santo diz que “Joe Berardo foi financiado para adquirir ações do BCP e fazer parte de um núcleo que iria dominar o banco na linha imposta pelo primeiro-ministro de então”.

Filha de Dias Loureiro suspeita de branqueamento de quatro milhões de euros

Catarina Dias Loureiro, filha do antigo ministro Manuel Dias Loureiro, é suspeita de ajudar o sogro a branquear quatro milhões de euros.

Banco de Portugal já entregou lista dos grandes devedores no Parlamento

Relatório do banco central abrange informação os bancos que receberam ajuda pública nos últimos 12 anos: Caixa Geral de Depósitos, BES/Novo Banco, Banif, BPN, BCP e BPI. Só depois de análise do documento, Presidente da Assembleia da República decidirá se relatório deve ser divulgado publicamente.
Comentários