BBVA: Francisco González será sucedido por Carlos Torres

Francisco González é presidente do BBVA desde 2000 e atualmente é Group Executive Chairman do BBVA e termina o atual mandato, que será o último, no próximo dia 31 de dezembro.

BBVA

O Conselho de Administração do BBVA aprovou a saída do histórico presidente do banco espanhol e a entrada para o seu lugar de Carlos Torres Vila, noticia o El Economista.

Francisco González é presidente do BBVA desde 2000 e atualmente é  Group Executive Chairman do BBVA e termina o atual mandato, que será o último, no próximo dia 31 de dezembro.

Carlos Torres Vila é um banqueiro espanhol, que desde maio de 2015 é CEO (Chief Executive Officer) do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria.

Já é o segundo grande banco espanhol a anunciar mudanças na cúpula de gestão. Ontem o

O Banco Santander noticiou que nomeou Andrea Orcel, chefe da área de investimentos do UBS, como seu próximo CEO, substituindo assim José Antonio Álvarez, que passa agora a vice-presidente executivo do grupo espanhol. Estas nomeações serão efetivas depois de serem obtidas as autorizações necessárias, mas “nunca antes de 01 de janeiro de 2019”, segundo o comunicado do Santander.

Recomendadas

“Em crise os riscos de crédito aumentam e o seguro torna-se mais importante”

Nesta crise, há setores que se veem obrigados a reduzir a sua atividade, “mas há outros em que novas oportunidades de negócio se abrem”, afirma a ‘chairman’ da COSEC, Maria Celeste Hagatong.

CGD faz hoje 145 anos e celebra com concerto online de Abrunhosa

Paulo Moita de Macedo, Presidente Executivo da Caixa, assinala a data com uma mensagem dirigida a todos os clientes onde realça a importância de cada cliente na construção destes 145 anos de história. O CEO da CGD coloca a tónica no futuro do Banco, “um caminho que continuará a ser feito lado a lado com os portugueses”.

Malparado do Novo Banco foi vendido ao melhor preço conclui auditoria da Deloitte

“Nos três processos de alienação analisados verificou-se que foi escolhida a proposta de investidores que apresentava o preço mais elevado”, pode ler-se no documento da auditoria da Deloitte.
Comentários