BCE aumenta compra de obrigações portuguesas para 516 milhões em dezembro

No último mês de 2017, o Banco Central Europeu comprou 516 milhões de euros de dívida portuguesa.

Kai Pfaffenbach/Reuters

Após dois meses de quedas, o Banco Central Europeu aumentou o valor de compras de obrigações portuguesas. Segundo dados anunciados esta quarta-feira, o banco central liderado por Mario Draghi adquiriu 516 milhões de euros de obrigações nacionais em dezembro, face aos 488 milhões  de novembro.

O programa foi lançado em março de 2015 para estimular a inflação e o crescimento económico na zona euro e desde essa altura o BCE comprou 31.063 milhões de euros de dívida portuguesa, ajudando a reduzir as yields das obrigações no mercado secundário a descer para perto dos 2%.

Dezembro foi, no entanto, o último mês de compras no formato atual, pois o BCE começa este mês a inverter a política monetária da zona euro, através de um corte na compra de ativos para metade. Apesar de a instituição liderada por Mario Draghi ter garantido que vai continuar no mercado durante vários anos e que não exclui a hipótese de prolongar o programa em tempo ou volume, o economista-chefe já sinalizou que o plano não será esse.

Na última reunião de política monetária, a 26 de outubro, a instituição liderada por Mario Draghi anunciou que iria prolongar o programa de compra de ativos até setembro de 2018, mas reduzir o valor mensal para 30 mil milhões a partir de janeiro, metade do montante de aquisições mensais até ao final de 2017.

[Notícia atualizada às 16h20]

Relacionadas

BCE inicia ronda de eleições à medida que a era Draghi se aproxima do fim

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, deve deixar o cargo no final de 2019, mas até lá outros quatro altos cargos do regulador europeu irão a votos para eleger novos representantes. Quem se sucederá?

BCE começa a reduzir estímulos e sinaliza que pode mesmo ser o fim

O programa de compra de ativos do Banco Central Europeu é reduzido para metade a partir deste mês. Apesar de o BCE ter garantido que está pronto a prolongar, se necessário, os estímulos, o economista-chefe da instituição acredita que não irá acontecer.

“A grande questão é saber se há muitos frutos a colher do mercado da dívida”

Rui Bárbara, economista e gestor de ativos do Banco Carregosa, questiona se com taxas muito próximo do mercado italiano, ainda há frutos a colher no mercado da dívida em Portugal.

Taxas de juro: Do perigo da ‘linha vermelha’ à segurança dos ‘upgrades’

O início do ano foi assustador. A yield da dívida portuguesa a 10 anos no mercado secundário ultrapassou os 4%, valor visto por muitos analistas como ‘linha vermelha’ e que sinalizaria a desconfiança dos investidores. Mário Centeno pediu calma e disse que a subida era temporária. O ministro acabaria por ter razão. O desempenho da economia e o sucesso em controlar o défice convenceram os investidores e as agências de ‘rating’, permitindo terminar o ano com uma taxa em mínimos de abril de 2015.

Especial 2018: Qual vai ser a trajetória da dívida portuguesa?

É um dos calcanhares de Aquiles da economia portuguesa.
Recomendadas

Wall Street ganha mais de 2% impulsionado por resultados

Banca, tecnologia e saúde foram os setores que mais puxaram pelos principais índices norte-americanos.

Paul Singer, CEO da norte-americana Elliott Management, compra 2,29% da EDP

A Elliott Management é conhecida por investir em ‘distressed assets’, e o histórico da gestora passa pela aposta na quedas das ações da PT em 2014 e uma longa luta para recuperar o investimento em obrigações Argentinas após o ‘default’ de 2002.

Bolsa portuguesa beneficia do otimismo em Wall Street. NOS, Mota-Engil e CTT disparam

PSI 20 encerrou a sessão desta terça-feira a somar 0,92%, para 5.042,74 pontos.
Comentários