BCE começa a reduzir estímulos e sinaliza que pode mesmo ser o fim

O programa de compra de ativos do Banco Central Europeu é reduzido para metade a partir deste mês. Apesar de o BCE ter garantido que está pronto a prolongar, se necessário, os estímulos, o economista-chefe da instituição acredita que não irá acontecer.

Ralph Orlowski/Reuters

O Banco Central Europeu começa este mês a inverter a política monetária da zona euro, através de um corte na compra de ativos para metade. Apesar de a instituição liderada por Mario Draghi ter garantido que vai continuar no mercado durante vários anos e que não exclui a hipótese de prolongar o programa em tempo ou volume, o economista-chefe já sinalizou que o plano não será esse.

Benoit Coeure, o membro do BCE responsável pelas operações de mercado e defensor da política monetária acomodatícia, deu a entender que o fim pode mesmo estar próximo.

“Dado o que vemos na economia, acredito que há hipóteses razoáveis que a extensão do programa de compra de ativos decidida em outubro possa ser a última”, afirmou Coeure, na semana passada, citado pela agência Reuters.

Na última reunião de política monetária, a 26 de outubro, a instituição liderada por Mario Draghi anunciou que iria prolongar o programa de compra de ativos até setembro de 2018, mas reduzir o valor mensal para 30 mil milhões a partir de janeiro, metade do montante de aquisições mensais até ao final de 2017.

Garantiu ainda que caso o outlook ou as condições financeiras se tornem menos favorável, o Conselho de Governadores está preparado para aumentar o programa em tamanho e/ou duração.

No final de novembro, o BCE detinha 1,9 biliões de euros em obrigações da zona euro, no âmbito do programa de compra de ativos iniciado em 2015 devido à crise das dívidas soberanas. Do total, 30,5 mil milhões, ou 1,6%, são títulos portugueses.

Se o programa terminar efetivamente em setembro de 2018, o que os analistas têm apontado como pouco provável já que o objetivo principal é não causar choques no mercado, o total de compras pode ser de pelo menos 2,55 biliões de euros, levando a folha de balanço do sistema da zona euro a aumentar para mais de 4,7 biliões de euros.

Depois do programa, o BCE continuará ainda a reinvestir o valor dos ativos que chegam às maturidades para tornar o processo ainda mais suave. Em 2018 apenas, os reinvestimentos poderão aumentar o volume bruto de compras para mais de 130 mil milhões de euros.

Ler mais
Relacionadas

Prestes a reduzir estímulos, BCE volta a rever em alta projeção económica

Estimativa do banco central é que a economia da zona euro cresça 2,4% este ano e 2,3% no próximo. No entanto, a inflação deverá continuar a falhar a meta pelo menos até 2020.

BCE: Reinvestimento de 130 mil milhões de euros vai apoiar o ‘tapering’ em 2018

Apesar da diminuição da compra de ativos a partir de janeiro, o Banco Central Europeu vai reinvestir 7% do stock atual de obrigações da zona euro ao longo de 2018, uma vertente da política monetária europeia que os analistas do Allianz GI acreditam vai ganhar destaque no próximo ano.

Draghi: “Recalibração da compra de ativos reflete confiança” na zona euro

O presidente do Banco Central Europeu sublinhou o momento positivo para o crescimento do bloco, mas lembrou que a política acomodatícia continua a ser necessário e garantiu que a instituição vai continuar nos mercados depois do fim do programa de compra de ativos.

BCE prolonga compra de ativos até setembro, mas reduz para 30 mil milhões por mês

Finalmente, o tão esperado ‘tapering’, a redução gradual do programa de compra de ativos pelo BCE, já tem detalhes concretos. O valor mensal de aquisições desce de 60 mil milhões para 30 mil milhões em janeiro.

“A grande questão é saber se há muitos frutos a colher do mercado da dívida”

Rui Bárbara, economista e gestor de ativos do Banco Carregosa, questiona se com taxas muito próximo do mercado italiano, ainda há frutos a colher no mercado da dívida em Portugal.

Portugal foi o segundo país mais beneficiado com as compras de dívida do BCE

Estudo da Moody’s indica que aquisição de ativos do banco central reduziu as taxa de juros da zona euro entre 50 e 150 pontos base.
Recomendadas

PremiumEmília Vieira: “Ricos ficam mais ricos porque preferem ações em vez de imobiliário”

A Casa de Investimentos vai lançar o “Livro do Investimento em Valor”, em parceria com o Jornal Económico. Em entrevista, a CEO Emília Vieira explica esta aposta.

Plataforma europeia de aconselhamento ao investimento chega a Portugal

“Estamos a reforçar a nossa colaboração com a IFD, a fim de garantir que os investimentos efetuados em Portugal beneficiam dos conhecimentos especializados, do aconselhamento e do apoio do BEI, através da Plataforma de Aconselhamento”, disse Emma Navarro, vice-presidente do Banco Europeu de Investimento.

Resultados travaram queda das bolsas

A divulgação de resultados de empresas norte-americanas permitiu acalmar as bolsas, travando a violenta correção da semana passada.
Comentários