BCE comprou 568 milhões de euros de dívida portuguesa em maio

O valor divulgado esta segunda-feira pelo banco central liderado por Mario Draghi representa uma redução face aos 623 milhões de euros adquiridos em abril.

O Banco Central Europeu (BCE) comprou 568 milhões de euros em dívida pública portuguesa, em maio. Depois de um aumento no montante adquirido, em abril, a instituição liderada por Mario Draghi voltou à tendência de redução das aquisições.

O valor significa uma diminuição face aos 623 milhões de euros adquiridos em abril. 

Lançado em março de 2015 para estimular a inflação e o crescimento económico na zona euro, o programa já levou o BCE a adquirir 33.667 milhões de euros de dívida portuguesa, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo banco central. No total dos países do bloco, a instituições comprou 24.230 milhões de euros em maio e 2.04 biliões de euros desde o início do programa.

O BCE diminuiu o limite máximo para a compra de ativos para 30 mil milhões de euros por mês, a partir de janeiro, em comparação com os 60 mil milhões até dezembro. O programa está planeado até ao final de setembro e esta é a forma de a instituição liderada por Mario Draghi começar a preparar o mercado para o fim dos estímulos.

[Atualizada às 14h48]

Relacionadas
DBRS: “Esforços de Portugal para limitar riscos à estabilidade financeira estão a resultar”
Apesar dos progressos, a agência sublinha que os elevados níveis de endividamento das empresas e de crédito malparado continuam a ser os principais riscos para a estabilidade financeira de Portugal.
Fitch mantém ‘rating’ de Portugal inalterado em grau de investimento
A agência é a que atribui atualmente a melhor notação à dívida nacional, pelo que a decisão era esperada pelos analistas. Os desenvolvimento macro-económicos e orçamentais são alvo de elogio, mas a dívida elevada e o crédito malparado continuam a penalizar o país.
Vítor Gaspar: “dívida pública portuguesa continua elevada no contexto das economias avançadas”
“A redução projectada na dívida pública depende de três hipóteses fundamentais: primeiro, a manutenção de saldos primários significativamente positivos; segundo, a continuação de crescimento económico e, terceiro, a estabilidade (mais precisamente uma ligeira redução) na taxa de juro média efectiva da dívida pública”, realça o ex-ministro.
Recomendadas
Altri e Sonae brilham na Bolsa de Lisboa que fecha em alta em linha com Europa
Carla Santos, Senior Broker, da XTB, diz na sua análise que o mercado europeu reagiu em alta com as medidas conciliatórias de Trump face à China.
Governo avança com sociedades de investimento em imóveis este ano
A introdução dos fundos de investimento em imobiliário, que normalmente são cotados em bolsa, irá possibilitar um crescimento mais sustentável do mercado, segundo o ministro Pedro Siza Vieira.
Empresas portuguesas rejeitam pagamentos com criptomoedas
No prazo de dois anos, 78% das empresas portuguesas garantiram que não pretendem adotar este método de pagamento e 20% não sabem se o farão, segundo indica o European Payment Report 2018.
Comentários