BCE comprou 638 milhões de euros em dívida portuguesa em julho

Montante representa a segunda subida mensal consecutiva. O BCE poderá ter aumentado a compra de dívida em junho e julho para precaver a menor liquidez no mercado em agosto.

O Banco Central Europeu (BCE) comprou 638 milhões de euros em dívida pública portuguesa, em julho, segundo dados divulgados esta segunda-feira. O montante compara com por 620 milhões de euros comprados em junho e representa a segunda subida mensal consecutiva.

Os ajustamentos mensais dependem de vários fatores, incluindo a disponibilidade de dívida. O BCE poderá ter aumentado a compra de dívida em junho e julho para precaver a menor liquidez no mercado em agosto.

Lançado em março de 2015 para estimular a inflação e o crescimento económico na zona euro, o programa já levou o BCE a adquirir 34.924 milhões de euros de dívida portuguesa. No total dos países do bloco, a instituições comprou 25.020 milhões de euros em maio e 2,09 biliões de euros desde o início do programa.

O programa de compra de ativos da instituição liderada por Mario Draghi irá continuar, até ao final de setembro, a comprar um máximo de 30 mil milhões de euros em ativos da zona euro por mês.

No quarto trimestre do ano, o volume de aquisições cai para metade – 15 mil milhões – e deverá terminar no final de dezembro. Após este período, o BCE irá ainda implementar um programa de reinvestimentos dos montantes dos ativos que atinjam as maturidades, enquanto as taxas de juro de referência deverão manter-se em mínimos históricos pelo menos até ao final do verão de 2019.

Sobre a política de reinvestimentos, o presidente da instituição, Mario Draghi, afirmou que a base da estratégia – a chave de capital – vai manter-se a mesma, na última reunião de política monetária, a 26 de julho. “Não discutimos de todo a política de reinvestimentos, mas posso dizer que a chave de capital vai continuar a ser a nossa âncora para os reinvestimentos”, disse.

A chave de capital determina o limite máximo de capital de cada país que o BCE pode adquirir, com base no tamanho da economia. O país com maior peso é a Alemanha (que tem a maior economia e é o país mais populoso), sendo que do total de dívida adquirida pelo BCE, até 18% pode ser alemã. Em sentido contrário, a dívida do Chipre pode representar apenas 0,15% do total.

No caso de Portugal, a dívida nacional pode chegar a 1,74% de todos os ativos comprados pelo BCE. A chave de capital vai, no entanto, ser revista em 2019 pelo que não é certo que se mantenha como está. Questionado sobre esta hipótese, na conferência de imprensa, Draghi respondeu apenas que “também não foi discutido”.

Ler mais
Relacionadas

Portugal é o terceiro país com mais recomendações europeias para reformas económicas

As instituições europeias vêem três áreas como particularmente preocupantes em Portugal. Políticas estruturais orçamentais, condições de enquadramento e mercado de trabalho são o foco, segundo uma análise do BCE conhecida esta segunda-feira.

Chave de capital vai ser a “âncora” do reinvestimento do BCE em dívida

Depois de acabar a compra de ativos, no fim do ano, o BCE irá recolocar no mercado os montantes recebidos de ativos que atingem as maturidades. Os pormenores ainda não são conhecidos, mas Mario Draghi explicou que a base se vai manter na chave de capital.

BCE mantém juros em mínimos históricos e plano de acabar com estímulos monetários

Na reunião desta quinta-feira, o Banco Central Europeu (BCE) manteve as medidas de política monetária inalteradas, tal como era de esperar. Às 13h30, o presidente Mario Draghi fala aos jornalistas.
Recomendadas

Wall Street encerra em alta com a China a poder aumentar importações americanas no valor de 1 trilião de dólares.

A China poderá aumentar as importações de produtos norte-americanos que, no total, valem mais de 1 bilião de dólares, o que reduziria o déficit comercial que os EUA têm no comércio com os chineses.

Axesor Rating avalia Portugal em BBB com tendência estável

Agência espanhola explicou que a classificação reflete a “solidez da procura interna” e a “reativação dos investimentos públicos no contexto do Plano Portugal 2020”.

Bolsas da Europa fecham semana no verde. Só o BCP fechou em queda no PSI20

Mais uma vez, as boas notícias sobre os progressos das conversações entre a China e os EUA, em matéria de relações comerciais, favoreceram o sentimento dos investidores nesta última sessão da semana.
Comentários