BCE já tem 1,78 biliões de euros em obrigações europeias

No caso de Portugal, a instituição liderada por Mario Draghi comprou um total de 29.570 milhões de euros em obrigações, desde março de 2015.

Yves Herman/Reuters

O Banco Central Europeu (BCE) já adquiriu 1,78 biliões de euros em obrigações da zona euro no âmbito do Quantitative Easing desde março de 2015, quando lançou o programa para estimular a economia da moeda única durante a crise. No caso de Portugal, o valor acumulado da dívida pública nacional comprada pelo BCE chegou a 29.570 milhões de euros.

Em setembro, a instituição liderada por Mario Draghi aumentou ligeiramente o valor das Obrigações adquiridas. O BCE comprou, no mês passado, 494 milhões de euros em bonds portuguesas, face aos 414 milhões de agosto, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo banco central.

O total comprado pelo BCE em setembro foi de 50.795 milhões de euros, sendo que a Alemanha continua a liderar a lista de países da zona euro, com a aquisição de 11.676 milhões de euros em Bunds.

O programa, que foi iniciado como parte do esforço para estimular a inflação e o crescimento económico na zona euro, prossegue com um valor mensal máximo de 60 mil milhões de euros desde abril. O plano é manter o programa, pelo menos, até dezembro deste ano, mas Draghi já anunciou que o Conselho de Governadores vai começar a discutir o fim dos estímulos este mês.

A expetativa dos analistas é que é o chamado tapering, ou seja, a redução gradual do programa de compras, aconteça através de um prolongamento das compras para o próximo ano, mas com um volume menor. A valorização do euro e a resistência da inflação têm sido preocupações, que poderão ter implicações no momento de delinear os pormenores do fim dos estímulos.

Relacionadas

BCE: mercado focado na credibilidade de cada país, apesar dos estímulos

Economista-chefe do BCE e responsável pelo desenho das propostas de política monetária, Peter Praet, lembrou ainda que o fim definitivo do programa de compra de ativos ainda está longe.

G3: o trio de bancos centrais e a ‘grande reversão’

Três grandes bancos centrais, três fases distintas da reversão de estímulos. Setembro tem sido fértil em sinais sobre se, como e quando os EUA, a zona euro e o Japão vão remover os estímulos monetários.

Quatro razões para Draghi não tirar o pé do acelerador

O BCE ainda não deu detalhes sobre o phasing-out do programa de estímulos, mas os dados recentes da inflação e do emprego não chegam para fazer inversão de marcha. Por agora há demasiados ‘ses’ para haver certeza de que a meta estatutária será cumprida.

Atento ao euro forte, Draghi quer calibrar o plano para 2018

A apreciação da moeda e a lentidão da inflação deverão levar o BCE a esboçar um plano suave e gradual para o fim dos estímulos à economia.
Recomendadas

Sinal misto em Wall Street com o Nasdaq a estragar o ramalhete

A banca dominou Wall Street. No Dow Jones, o setor financeiro liderou os avanços: JPMorgan (+ 2,9%); Goldman Sachs (+ 2,92%); o Citigroup valorizou 3,31%, e o Bank of America que ganhou 2,58%.

Farfetch aumenta preço da entrada em bolsa para até 19 dólares por ação

Depois de o interesse dos investidores em ações tecnológicas, a Farfetch aumentou o preço das ações em cerca de dois dólares para, entre os 17 e os 19 dólares, avaliando a empresa entre 4,9 e 5,5 mil milhões de dólares.

BCP brilha na bolsa de Lisboa, que acompanha otimismo europeu

As bolsas europeias fecharam em alta puxada por quatro motores: Banca, automóveis, recursos naturais e o setor químico. O BCP lidera subidas do PSI 20.
Comentários