BCE mantém taxas inalteradas, mas remove referência a eventuais aumentos na compra de ativos

A decisão sobre as taxas era prevista pelos analistas, mas a remoção da opção de acelerar as compras caso o outlook se torne desfavorável foi uma surpresa. A atenção passa agora para a conferência de imprensa de Draghi às 13h30.

Reuters
Ler mais

O Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juro na zona euro inalteradas e em mínimos históricos. Após a reunião do Conselho de Governadores, esta quinta-feira, em Frankfurt, a instituição liderada por Mario Draghi anunciou que deixou a taxa de juro diretora continua em 0%, um nível em vigor desde março de 2016.

“O Conselho do BCE espera que as taxas de juro diretoras do BCE permaneçam nos níveis atuais durante um período alargado e muito para além do horizonte das compras líquidas de ativos”, referiu.

A taxa de juro aplicável à facilidade de depósito também não sofreu alterações e permanece nos -0,40%, enquanto a taxa aplicável à facilidade permanente de cedência de liquidez fica em 0,25%, informou o banco central, em comunicado.

Em relação ao programa de compra de ativos, o banco central referiu que vai continuar a um ritmo mensal de 30 mil milhões de euros mensais até setembro de 2018, “ou mais tarde, se necessário, e em qualquer caso até que o Conselho de Governadores ver um ajustamento sustentável do caminho da inflação, consistente com a meta de inflação [próxima, mas abaixo de 2%]”.

No entanto, face ao comunicado de janeiro, deixou cair a referência sobre a possibilidade de, no caso do outlook se tornar menos favorável ou de as condições financeira se tornarem inconsistentes com mais progresso em direção a ajustamento sustentável no percurso da inflação, o Conselho de Governadores estar pronto a aumentar o aumento no programa de compras em termos de tamanho ou duração.

A atenção centra-se agora na conferência de imprensa de Draghi às 13h30, sendo que o principal foco vai ser perceber se setembro é mesmo a meta final do programa de compra de ativos da zona euro ou se haverá um novo prolongamento.

[Atualizada às 13h34]

Relacionadas

Entre falcões e pombas: luta de ‘angry birds’ no Conselho do BCE?

Esta quinta-feira há nova reunião de política monetária do Banco Central Europeu. Os investidores vão estar atentos às palavras do presidente, Mario Draghi, que se encontra pressionado entre a inflação abaixo da meta e os argumentos de que os estímulos já demoram em terminar.

BCE: De Guindos tem caminho aberto para suceder a Vítor Constâncio

Na sequência do parecer do Conselho do BCE e da posição do Parlamento Europeu, o novo vice-presidente da instituição será nomeado pelo Conselho Europeu.

BCE comprou 489 milhões de euros em dívida portuguesa em fevereiro

Depois de em janeiro (primeiro mês do novo modelo do programa), Portugal não ter sido penalizado de forma significativa pela redução da compra de ativos, em fevereiro até aumentou.
Recomendadas

Trump sobre Maduro: poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano

Trump, que hoje interveio no primeiro dia do Debate Geral na 73.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, declarou esta terça-feira que a situação na Venezuela é “um caso triste” que deseja “ver resolvido”.

“Querem atacar-me, ataquem-me a mim”. Maduro critica Departamento do Tesouro norte-americano

O primeiro mandatário venezuelano reagia ao anúncio de hoje, de novas sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) contra quatro pessoas do seu Governo, entre elas Cília Adela Flores de Maduro.

Ex-primeiro francês quer ser presidente da câmara municipal de Barcelona

“Quero ser o próximo presidente de câmara de Barcelona“, disse Manuel Vals, em catalão, numa cerimónia pública no Centro de Cultura Contemporânea da capital da Catalunha, colocando fim a vários meses de dúvida em relação às suas intenções de regressar à cidade em que nasceu há 56 anos.
Comentários