BCE prolonga compra de ativos até setembro, mas reduz para 30 mil milhões por mês

Finalmente, o tão esperado ‘tapering’, a redução gradual do programa de compra de ativos pelo BCE, já tem detalhes concretos. O valor mensal de aquisições desce de 60 mil milhões para 30 mil milhões em janeiro.

Após meses de debate sobre o tema, o Banco Central Europeu (BCE) anunciou esta quinta-feira que vai prolongar o programa de compra de ativos da zona euro até setembro de 2018 e reduzir o valor mensal de aquisições para 30 mil milhões a partir de janeiro, data até à qual irá continuar a comprar 60 mil milhões por mês.

“A partir de janeiro de 2018, a compra de ativos deverá continuar a um ritmo mensal de 30 mil milhões de euros até setembro de 2018, ou depois, se necessário, e, de qualquer forma, até que o Conselho de Governadores veja um ajustamento sustentável no rumo da inflação consistente com a meta de inflação”, anunciou o banco central liderado por Mario Draghi, em comunicado, após a reunião de política monetária do Conselho de Governadores, esta manhã em Frankfurt.

“Se o outlook se tornar menos favorável, ou se as condições financeiras se tornarem inconsistentes com novo progresso em direção a um ajustamento sustentável da inflação, o Conselho de Governadores está preparado para aumentar o APP [asset purchase program] em tamanha e/ou duração”, sublinhou.

O programa de compra de ativos foi lançado em março de 2015 com o objetivo de impulsionar a inflação e o crescimento económico na zona euro, que sofria ainda as consequências da crise financeira e económica global. No primeiro ano do programa o BCE comprometeu-se a comprar, em média, ativos no valor de 60 mil miilhões de euros por mês. Esse montante subiu para 80 mil milhões de euros mensais entre abril de 2016 e março de 2017, mas foi reduzido novamente para 60 mil milhões a partir dessa altura.

Draghi corta mais que o esperado

O consenso entre os economistas consultados pela agência Reuters apontava para uma diminuição das compras para os 40 mil milhões, mas a redução superou a expetativa. O programa de estímulos tem sido apontado como um dos principais motores da retoma da economia europeia e tem permitido a manutenção de baixas yields das dívidas soberanas do bloco.

Draghi tem referido de forma recorrente que a convergência da inflação na zona euro ainda não é sustentável e é, portanto, ainda necessário manter um grau significativo de acomodação monetária. O italiano tem abordado o tema do tapering de forma muito cuidadosa nos últimos meses, pois quer evitar abalar a confiança dos investidores.

Vários membros do Conselho de Governadores têm também referido nos últimos meses que uma subida nas taxas de juro deverá acontecer apenas depois de o programa de compra de ativos ter terminado.

Esta quinta-feira, o BCE adiantou ainda que o Conselho decidiu manter as taxas de juro inalteradas e em minímos históricos. A taxa de juro diretora fica, assim, em 0%, um nível em vigor desde março do ano passado, enquanto a taxa de juro aplicável à facilidade de depósito permanece nos -0,40%, e a taxa aplicável à facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,25%.

[Notícia atualizada às 12h57]

Ler mais
Relacionadas

Euro e ‘yields’ caem, bolsas animam com decisão do BCE sobre estímulos

As reações nos mercados foram claras mas não muito acentuadas. Depois do anúncio da redução na compra de ativos da zona euro a partir de janeiro, o foco vira-se agora para conferência de imprensa de Draghi.

Draghi começa mar de mudanças, tentando evitar tempestades nos mercados

Após meses de debate intenso sobre o assunto, o ‘tapering’, ou a redução gradual da compra de ativos, deverá ser anunciado esta quinta-feira, com os economistas a apontarem para uma redução de 20 mil milhões por mês a partir de janeiro e até, pelo menos, setembro de 2018.

“Os bancos centrais estão a preparar a próxima crise”

A uma semana de o BCE anunciar a redução dos estímulos, o economista-chefe da XTB acredita que Draghi terá uma situação difícil pela frente.

BCE pondera redução mais longa e lenta da compra de ativos na zona euro

A expectativa dos analistas é a de que o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, anuncie na próxima reunião do conselho de administração uma extensão do programa de flexibilização quantitativa até ao outono do próximo ano.

BCE já tem 1,78 biliões de euros em obrigações europeias

No caso de Portugal, a instituição liderada por Mario Draghi comprou um total de 29.570 milhões de euros em obrigações, desde março de 2015.

BCE estuda reduzir compra de dívida para metade

Programa de compra de dívida poderá prolongar-se por mais nove meses durante 2018 mas com uma quantia de 30 mil milhões de euros mensais.
Recomendadas

Manuel Pinho volta à comissão de inquérito de Energia a 20 de dezembro

O antigo governante propôs as datas de 18, 19 e 20 de dezembro e a comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia escolheu a última.

“Bolachas Ronaldo”. Café português no Reino Unido envolto em polémica

Relação das bolachas ao alegado caso de violação que envolve, nos Estados Unidos, o futebolista português Cristiano Ronaldo desencadeou uma série de comentários negativos.

António Costa sobre OE2019: “Reduz défice, dívida e aumenta investimento público”

Primeiro-ministro apresentou o OE2019 aos deputados socialistas e não poupou elogios ao documento: “este Orçamento melhora a vida dos portugueses”.
Comentários