BCP e Mota-Engil levam PSI 20 a afundar pelo segundo dia consecutivo

Praça lisboeta fechou a sessão desta terça-feira com uma descida de 0,60% para 5.220,59 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, fechou a sessão desta quinta-feira a desvalorizar 0,60%, para 5.220,59 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias que fecharam a sessão a negociar em terreno negativo.

A fazer tombar o PSI 20 estiveram entre as principais cotadas portuguesas o BCP, que caiu 2,17%, para 0,28 euros, a Altri, que desceu 1,42%, para 5,92 euros e a construtora Mota-Engil, que depreciou 1,87%, para 1,88 euros.

Em terreno negativo encontram-se também a Pharol, que desceu 1,65%, para 0,15 euros e a Sonae Capital, que caiu 0,82%, para 0,72 euros.

As únicas cotadas nacionais a negociarem no ‘verde’ no fecho da sessão foram a EDP, (0,50%), para 3,38 euros, a EDP Renováveis, que subiu 0,22%, para 9,22 euros e a RENE, que valorizou 0,40%, para 2,52 euros.

Na Europa as cotadas fecharam a sessão a negociarem no ‘vermelho’, com a única exceção a ser o italiano FTSE MIB. Na Alemanha, o DAX desceu 0,92%, no Reino Unido, o FTSE 100 caiu 0,62%, o francês CAC 40 desvalorizou 0,38%, o holandês AEX caiu 0,14%. Em Espanha, o IBEX35 desvalorizou 0,64% e o italiano FTSE MIB subiu 0,09%.

A cotação do barril de Brent desvalorizou 2,91%, com valor de 61,88 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desceu 3,10%, para 55,02 dólares por barril.

No mercado cambial o euro valorizou 0,04%, para 1,12 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.
Comentários