BCP: sobe para quatro o número de sindicatos que se vão manifestar no dia da assembleia geral do banco

O Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas junta-se a três frentes sindicais na manifestação do dia 22 de maio, em que acontece a assembleia geral do BCP. O SBSI vai reclamar “aprovação da compensação dos cortes salariais” que Miguel Maya anunciou ser “mais generosa” do que a distribuição de dividendos.

Miguel A. Lopes/Lusa

O Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) vai organizar uma concentração de trabalhadores e reformados do Millennium bcp para reclamar a “b a atualização das tabelas”, segundo consta no comunicado no site da associação sindical, publicado esta quarta-feira.

A concentração terá lugar no próximo dia 22 de maio, data em que se realiza a assembleia geral do banco liderado por Miguel Maya. A concentração do SBSI junta-se, assim, à manifestação “de repúdio e contestação face à atual situação dos trabalhadores” convocada, esta segunda-feira, por outras três associações sindicais – o Sindicato dos Bancários do Norte (SBN), o Sindicado Nacional dos Quadros Técnicos Bancários (SNQTB) e o Sindicato Independente dos Bancários (SIB).

Estes três sindicatos vão exigir o pagamento imediato de aumentos relativos a 2018 para os trabalhadores no ativo, reformados e pensionistas. Vão também pedir a devolução “incondicional do valor total global acumulado com os cortes salariais de 2014 a 2017” e a revisão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Estas estruturas sindicais alertam que o “impasse nas negociações para 2018” consiste numa “verdadeira recusa” do banco em negociar as condições dos trabalhadores do BCP, “um cenário agravado pelo facto de o ACT em vigor para o Grupo BCP ter sido publicado há mais de dois anos”, sem que tenha havido aumentos salariais. “Os trabalhadores do BCP, reformado e pensionistas” encontram-se sem atualizações das condições de trabalho desde 2010, alertam os sindicatos.

No caso do SBSI, “a concentração tem por objetivo a aprovação do plano de reembolso dos cortes salariais, a atualização das tabelas remuneratórias de trabalhadores, reformados e pensionistas e a valorização da negociação coletiva”, lê-se na convocatória.

“A concentração terá lugar no dia 22 frente ao Edifício 8 do Taguspark (a sede do BCP), pelas 13hoo”, explica o SBSI.

Na semana passada, durante a apresentação dos resultados trimestrais do banco, Miguel Maya, CEO do BCP, disse que a compensação de 12,6 milhões que será atribuída aos trabalhadores que tiveram cortes nos salários é “mais generosa” do que a remuneração acionista de 30 milhões.

Isto porque, enquanto a distribuição de dividendos corresponde a 10% dos lucros relativos ao exercício de 2018, a compensação àqueles trabalhadores corresponde a um terço do resultado líquido do mesmo período.

Millennium bcp abate 1,9 mil milhões de euros de malparado num ano

 

Ler mais
Relacionadas

Sindicatos bancários vão protestar no dia da assembleia geral do BCP

Em causa estão as remunerações dos trabalhadores desta instituição, que não são atualizadas desde 2010, bem como a devolução das retribuições retidas entre 2014 e 2017.

Trabalhadores do Millennium exigem na rua devolução de cortes salariais

Está marcada para 22 de maio uma concentração de trabalhadores do banco no Taguspark, em Oeiras, enquanto se realiza a assembleia-geral anual de acionistas.
Recomendadas

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank, banco central alemão, alertou esta segunda-feira que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão.

PremiumBanco ‘português’ na Costa do Marfim quer disputar liderança

O grupo BDK, que detém o Banque d´Abidjan, emprega na África do Oeste 532 pessoas, a que se juntam 28 em Lisboa. O banco tem quase metade da rede de balcões do líder no mercado, o Sociéte Generale.
Comentários