BdP: Principal ameaça à estabilidade financeira é a reavaliação “abrupta” dos prémios de risco

No Relatório de Estabilidade Financeira, o Banco de Portugal salienta que este risco se agravou face à avaliação do último relatório da instituição.

O Banco de Portugal (BdP) alertou esta terça-feira que o risco derivado da reavaliação significativa e abrupta dos prémios de risco a nível global e europeu se agravou nos últimos meses.

“O agravamento da incerteza geopolítica e económica tanto a nível mundial como na Europa, a materialização parcial de alguns riscos provenientes das tensões comerciais, normalização da política monetária nos EUA e um enquadramento em que se perspetiva a desaceleração do crescimento económico mundial poderão conduzir a comportamentos de aversão ao risco e a reavaliação dos prémios de risco, transversal a vários segmentos do mercado financeiro”, salienta o regulador, no Relatório de Estabilidade Financeira.

O BdP alerta ainda para o efeito contágio da turbulência italiana. Ainda que o contágio do aumento das yields da dívida pública italiana tem sido limitado a outras economias, o relatório salienta que “caso a situação/incerteza se intensifique, poderá ocorrer uma reavaliação adicional do prémio de risco de Itália,  o reaparecimento de riscos de redenominação e de fragmentação fimanceira e económica na área do euro, podendo resultar numa deterioração do sentimento de mercado relativamente a outros Estados-Membros”.

No entanto, salienta que os diferentes níveis ou ritmos de ajustamento esperados da dívida pública poderão atenuar os efeitos do risco.

Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.

Sindicato dos Quadros e CGD chegam a acordo para aumento salarial de 0,75%

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários concluiu revisão salarial do acordo de empresa com a CGD. O pagamento será feito em dezembro, com efeitos a 1 de janeiro de 2018.
Comentários