BdP: Principal ameaça à estabilidade financeira é a reavaliação “abrupta” dos prémios de risco

No Relatório de Estabilidade Financeira, o Banco de Portugal salienta que este risco se agravou face à avaliação do último relatório da instituição.

O Banco de Portugal (BdP) alertou esta terça-feira que o risco derivado da reavaliação significativa e abrupta dos prémios de risco a nível global e europeu se agravou nos últimos meses.

“O agravamento da incerteza geopolítica e económica tanto a nível mundial como na Europa, a materialização parcial de alguns riscos provenientes das tensões comerciais, normalização da política monetária nos EUA e um enquadramento em que se perspetiva a desaceleração do crescimento económico mundial poderão conduzir a comportamentos de aversão ao risco e a reavaliação dos prémios de risco, transversal a vários segmentos do mercado financeiro”, salienta o regulador, no Relatório de Estabilidade Financeira.

O BdP alerta ainda para o efeito contágio da turbulência italiana. Ainda que o contágio do aumento das yields da dívida pública italiana tem sido limitado a outras economias, o relatório salienta que “caso a situação/incerteza se intensifique, poderá ocorrer uma reavaliação adicional do prémio de risco de Itália,  o reaparecimento de riscos de redenominação e de fragmentação fimanceira e económica na área do euro, podendo resultar numa deterioração do sentimento de mercado relativamente a outros Estados-Membros”.

No entanto, salienta que os diferentes níveis ou ritmos de ajustamento esperados da dívida pública poderão atenuar os efeitos do risco.

Recomendadas

Máximo dos Santos defende papel do BdP na aplicação das medidas de resolução aos bancos pequenos

O Banco de Portugal organizou ontem de manhã, em Lisboa, um evento dedicado ao planeamento de resolução de instituições classificadas de menos significativas e das instituições que não estão abrangidas pelo âmbito do Mecanismo Único de Resolução. Juntou 28 instituições de crédito e empresas de investimento e a APB.

António de Sousa passa avaliação de idoneidade

Ex-presidente da Caixa, atualmente gestor do fundo ECS, passou no exame de idoneidade do supervisor a antigos administradores do banco público que continuam ligados ao setor financeiro.

FMI recomenda que Parlamento dê ouvidos aos supervisores na reforma da supervisão financeira

“Os três supervisores setoriais nacionais levantaram preocupações legítimas em relação ao projeto de lei e que merecem uma ponderação cuidadosa no Parlamento antes que este projeto de lei seja aprovado e convertido em lei”, lê-se no comunicado da equipa técnica do FMI que esteve em visita a Portugal.
Comentários