BE/Convenção: Catarina Martins encabeça lista de continuidade à Mesa Nacional

A lista apresenta poucas mudanças sendo uma delas Manuel Grilo, vereador na Câmara de Lisboa.

A lista à Mesa Nacional do BE, que é liderada por Catarina Martins, vai apostar na continuidade, e possui poucas mudanças, sendo uma delas Manuel Grilo, vereador da Câmara de Lisboa.

Apesar de estarem três moções em discussão e votação na XI Convenção Nacional do BE, entraram apenas duas listas à Mesa Nacional – o órgão máximo do partido entre convenções – uma vez que a moção M decidiu não apresentar lista.

A lista da moção A, que reúne as principais tendências do partido, é liderada por Catarina Martins, seguindo-se o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, e a eurodeputada do BE, Marisa Matias, os três proponentes do texto de orientação política intitulado “Um Bloco mais forte para mudar o país”.

Uma das novidades desta lista é o vereador do BE à Câmara de Lisboa, Manuel Grilo, que substituiu Ricardo Robles na autarquia depois da demissão na sequência da polémica com a venda de um imóvel.

Outro dos rostos novos é o médico Bruno Maia, um dos coordenadores do Movimento Cívico para a Despenalização da Morte Assistida.

Continuam na lista desta moção à Mesa Nacional os deputados Jorge Costa, José Manuel Pureza, José Soeiro, Mariana Mortágua, Joana Mortágua e o fundador do partido Luís Fazenda.

Ler mais
Recomendadas

Filho de Donald Trump: Theresa May tem de “honrar a sua promessa” de avançar com o Brexit

Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente dos Estados Unidos, refere ainda que os ‘interesses instalados’ estão a tentar ‘silenciar as vozes’ daqueles votaram no Brexit, e que elegeram o seu pai para a Casa Branca.

Parlamento discute fim da fixação de preços no setor do táxi

Os sociais-democratas consideram que esta prática restringe a concorrência e impede a “normal resposta da oferta a diferentes condições da procura, em detrimento da eficiência económica”.

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.
Comentários