BE/Convenção: Catarina Martins encabeça lista de continuidade à Mesa Nacional

A lista apresenta poucas mudanças sendo uma delas Manuel Grilo, vereador na Câmara de Lisboa.

A lista à Mesa Nacional do BE, que é liderada por Catarina Martins, vai apostar na continuidade, e possui poucas mudanças, sendo uma delas Manuel Grilo, vereador da Câmara de Lisboa.

Apesar de estarem três moções em discussão e votação na XI Convenção Nacional do BE, entraram apenas duas listas à Mesa Nacional – o órgão máximo do partido entre convenções – uma vez que a moção M decidiu não apresentar lista.

A lista da moção A, que reúne as principais tendências do partido, é liderada por Catarina Martins, seguindo-se o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, e a eurodeputada do BE, Marisa Matias, os três proponentes do texto de orientação política intitulado “Um Bloco mais forte para mudar o país”.

Uma das novidades desta lista é o vereador do BE à Câmara de Lisboa, Manuel Grilo, que substituiu Ricardo Robles na autarquia depois da demissão na sequência da polémica com a venda de um imóvel.

Outro dos rostos novos é o médico Bruno Maia, um dos coordenadores do Movimento Cívico para a Despenalização da Morte Assistida.

Continuam na lista desta moção à Mesa Nacional os deputados Jorge Costa, José Manuel Pureza, José Soeiro, Mariana Mortágua, Joana Mortágua e o fundador do partido Luís Fazenda.

Ler mais
Recomendadas

Terceira ponte sobre o Tejo volta a ser discutida 10 anos depois

A ponte anunciada por José Sócrates acabou por ser cancelada em 2010. Os custos foram então estimados entre 1,7 mil milhões e 1,9 mil milhões.

Prémios polémicos levam Comissão Executiva da TAP ao Parlamento. Assista ao debate

A comissão executiva da TAP está a ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos. O requerimento para ouvir a comissão executiva da transportadora aérea foi apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE), que classificou como “inaceitável” a decisão.

Ditadores “inteligentes” atraem mais investidores estrangeiros, revela estudo

De acordo com a Bloomberg, que analisou o estudo publicado pelo Instituto da economia em transição do Banco da Finlândia, estes investimentos são ainda mais significativos, quando efetivamente o líder do regime possui diplomas universitários ao nível da economia, e em especial quando a estes se junta a experiência no mundo dos negócios.
Comentários