Bélgica quer avançar para gestão e produção de diamantes em Angola

Governos de Angola e da Bélgica pretendem reforçar a cooperação, com destaque para o setor dos diamantes, com Bruxelas a pretender avançar para a gestão, controle e produção, além da comercialização, disse hoje fonte oficial.

A informação foi hoje avançada pelo vice-primeiro-ministro e chefe da diplomacia da Bélgica, Didier Reynders, que se deslocou a Luanda para uma visita de trabalho de 24 horas.

Didier Reynders foi recebido pelo Presidente de Angola, João Lourenço, a quem transmitiu o desejo de reforçar a cooperação também nos domínios da Defesa e da diplomacia e abordou questões relativas à situação na República Democrática do Congo (RDCongo) e Burundi.

À saída do encontro, o também ministro dos Negócios Estrangeiros da Bélgica referiu que, na zona da Antuérpia, foi desenvolvida uma técnica nova para o controlo dos diamantes puros e sintético.

E é essa nova técnica que, disse, pretende trazer para Angola para o acompanhamento da boa gestão e transparência no comércio dos diamantes.

O vice-primeiro-ministro belga adiantou, por outro lado, que, antes da reunião com João Lourenço, participou num simpósio sobre o setor dos diamantes, que contou com a presença do ministro dos Recursos Minerais e Petróleos angolano, Diamantino de Azevedo, para a renovação de contactos com vista a “uma provável progressão no setor no próximo ano”.

Em junho deste ano, o Presidente angolano visitou a Bélica, tendo se deslocado na ocasião a Antuérpia, onde esteve numa empresa de importação e exportação de diamantes, na bolsa de valores e o importante porto local.

Também antes da audiência com João Lourenço, o chefe da diplomacia belga conduziu com o seu homólogo angolano, Manuel Augusto, as conversações entre as delegações dos dois países, onde manifestou o desejo de estender a cooperação às áreas das alfândegas, medicina tropical, portuária e no combate ao fenómeno da corrupção.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, considerou “históricas e excelestes, as relações entre Angola e a Bélgica, com “perspetivas de uma melhoria permanente”.

“Sempre que responsáveis da Bélgica e de Angola se encontram têm oportunidade, não só de olhar para uma cooperação que tem tido sempre a tendência crescente, mas, sobretudo, de passar em revista a atualidade na Europa e na África”, disse Manuel Augusto na sua intervenção.

Manuel Augusto realçou que a visita do governante belga acontece numa altura em que Angola regista num “momento político e histórico” do país.

“Estamos a viver uma transição política e geracional. No fim de semana passado registamos mais um momento histórico, com a assunção da liderança do partido que dirige o poder em Angola pelo Presidente João Lourenço. Uma vez mais, esta feliz associação da Bélgica está associada a momentos históricos em Angola”, frisou.

No final, os dois governantes assinaram um memorando com vista ao lançamento da comissão mista Angola-Bélgica, a ter lugar no próximo ano, em local a definir.

Ler mais
Recomendadas

Site do Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores cresceu 30% para cinco milhões e o tempo médio de permanência no site mais do que duplicou, para sete minutos. Obrigado pela sua preferência!

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.
Comentários