Beltrão Coelho: a mais antiga tecnológica portuguesa celebra 70 anos

No final do ano passado, a Beltrão Coelho contava como quase 900 clientes em Portugal, tendo faturado mais de 7,5 milhões de euros e gerindo mais de 5.400 equipamentos geridos em contratos de MPS.

A Beltrão Coelho, que reclama ser a empresa tecnológica portuguesa mais antiga, celebra neste mês de fevereiro 70 anos de existência.

“Num período em que assistimos ao nascimento de ‘startups’ a uma velocidade acelerada, é importante notar que, à mesma velocidade a que estas nascem, também morrem. Um dos motivos é a falta de visão para o futuro e uma fraca cultura de marca e de valores corporativos. Sem estes ingredientes, é muito difícil prosperar a longo prazo”, alerta um comunicado da Beltrão Coelho.

Assumindo-se como “uma exceção à regra” e “um exemplo para os jovens empreendedores que pretendem lançar empresas tecnológicas”, a empresa garante mantém as suas raízes familiares, indo já na sua terceira geração.

Fundada em 1948, a Beltrão Coelho dedicou-se inicialmente em exclusivo ao negócio da fotografia, tornando-se representante em Portugal das prestigiadas marcas Polaroid e Pentax.

“Hoje em dia, a Beltrão Coelho é especialista em MPS (Managed Print Services), tendo sido a pioneira nesta área em Portugal”, destaca um comunicado da empresa.

A Beltrão Coelho é agora uma parceira da multinacional Xerox, tendo sido nomeada, pelo quarto ano consecutivo, PME Líder.

No final do ano passado, a Beltrão Coelho contava como quase 900 clientes em Portugal, tendo faturado mais de 7,5 milhões de euros e gerindo mais de 5.400 equipamentos geridos em contratos de MPS.

O conceito MPS é uma designação aceite nas empresas tecnológicas como um serviço de gestão de parque de impressoras multifunções, incluindo “assistência técnica, entrega de consumíveis e uma série de serviços que visam libertar a responsabilidade do cliente sobre o trabalho de gerir o seu próprio parque de equipamentos, bem como reduzir custos com impressão e com o consumo de energia”.

 

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

ANACOM celebra 30º aniversário com mudança de imagem do site

A ANACOM vai também levar a cabo outras iniciativas, designadamente, a organização de um concurso de fotografia de âmbito nacional e a abertura ao público do acervo documental da ANACOM.

Venda da Cimpor: como se desfez o ‘império’ cimenteiro em Portugal

A Cimpor chegou a operar em quatro continentes e em 12 países. A empresa extingue-se, mas permanece a marca. E fica a promessa dos turcos em “fazer da Cimpor novamente uma grande empresa”.

Matos Fernandes: “Grande aposta na energia elétrica em Portugal é no solar”

Na conferência foi referido que em 2030 a meta de contribuição da totalidade das fontes de energia renováveis é de 37% na Europa, enquanto para Portugal o objetivo é alcançar 47%.
Comentários