Bens de grande consumo ultrapassam os 9 mil milhões em 2018

No geral, registou-se um aumento de 2,8%. As categorias de alimentação e higiene do lar foram as que mais cresceram no ano passado.

No ano de 2018, os bens de grande consumo ultrapassaram os 9 mil milhões de euros, o que se traduz num aumento de 2,8% relativamente ao período homólogo, informam os dados da consultora Nielsen.

As categorias que apresentaram um maior crescimento foi o da alimentação e higiene do lar, com crescimento em 3,1% e 2,9% respetivamente. No setor da alimentação, o destaque vai para os produtos congelados que, tal como tinha acontecido em 2017, voltaram a crescer em 5%. Este crescimento revela uma maior procura por produtos que tragam conveniência, rapidez e simplicidade à vida dos consumidores.

Já relativamente às categorias de bebidas e higiene pessoal, os dados da consultora sugerem um crescimento de 2,8% e 1,3%, pela mesma ordem.

Contrariamente ao que tinha sido a tendência em 2017, em que o crescimento verificado foi praticamente equiparado, este ano os dados da Nielsen demonstram uma diferença relativamente significativa entre as marcas de fabricante e as marcas de distribuição. No ano de 2018, as marcas de fabricante apresentaram um aumento de 3,3% relativamente ao período homólogo, já as as marcas de distribuição cresceram 1,9%.

A época onde se notou um maior crescimento foi a natalícia, representando 10% das vendas totais registadas no setor, num universo de análise que integra as vendas em hipers e supermercados. O peso promocional manteve-se neste período superior à média anual e mais de 50% das compras foram realizadas com promoção: 51% no Natal contra 47% de média em 2018.

Relacionadas

Receitas dos supermercados Dia em Portugal descem para 808 milhões de euros em 2018

A dona do Minipreço terminou 2018 com menos 27 lojas (próprias e em regime franchising) no país. “2018 foi provavelmente o mais difícil desde a fundação da empresa há mais de 40 anos”, admite o conselheiro delegado da empresa, Borja de la Cierva Álvarez de Sotomayor.

Sabe interpretar datas de validade? Supermercados vão ajudar consumidores

Em mais de 1.200 associados da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição – nos quais contam-se as cadeias Aldi, Continente, DIA – Minipreço, El Corte Inglés, Intermarché, Ikea, Jumbo/Pão de Açúcar, Lidl, Novo Horizonte e Pingo Doce – haverá informação sobre como ler os prazos de validade.

Global trends: O que o consumidor procura em 2019

O comportamento dos consumidores mudou e quer adaptar-se aos tempos modernos. Das escolhas mais conscientes à fuga do online, estas são as principais tendências para 2019.
Recomendadas

VAR provoca perdas de milhares de euros

Portugal está a adaptar-se ao VAR e se dentro do campo ainda reina a polémica, fora das quatro linhas, entre quem aposta, o cenário não muda. A ‘escaldante’ final four da Taça da Liga resultou em perdas de milhares de euros.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários