“Boa notícia” mas “é preciso mais”: Marcelo reage a dados da economia

Presidente da República considerou que o crescimento económico de 2,9% no segundo trimestre é “uma boa notícia” e que Portugal vai “no caminho correto”, mas salientou que “é preciso mais”, apontando a meta dos 3%.

Adriano Machado/Reuters

“É uma boa noticia, vamos no caminho correto e ainda bem que vamos. No entanto, eu penso que é preciso mais, é preciso um pouco mais. Eu tenho falado em 3% ou acima de 3%”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, na Póvoa de Lanhoso, à margem da cerimónia que assinalou os 100 anos do Hospital da Misericórdia local.

O chefe de Estado alertou que é “sobretudo preciso ir acompanhando não só o que se passa lá fora” mas também a evolução da economia nacional até ao final de 2017, salientando a importância da Autoeuropa para o crescimento económico português, sem, no entanto, comentar o conflito laboral que a multinacional enfrenta.

Relacionadas

Costa e o crescimento do PIB: “Desmente preconceitos sobre políticas” do Governo

O primeiro-ministro frisou que o crescimento de 2,9% da economia do país no segundo trimestre deste ano em termos homólogos e 0,3% face ao primeiro trimestre é “encorajador” e “deve motivar” mas sem que o Governo fique “tranquilo”.

PIB cresceu 2,9% no segundo trimestre

O Instituto Nacional de Estatística divulgou esta quinta-feira os dados do PIB referentes ao período entre abril e junho. Apesar de o valor se encontrar 0,1% acima da estimativa divulgada há duas semanas, o desempenho da economia acabou por ficar ainda no limite inferior das projeções dos analistas contactos pelo Jornal Económico, no início do mês.
Recomendadas

Ata do IPDJ contraria afirmações do secretário de Estado do Desporto

Ata de reunião de 5 de maio de 2017 do conselho diretivo do IPDJ confirma acusação que recai sobre Vítor Pataco: Baganha teve de avocar o processo que o seu vice reteve por nove meses.

Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, diz ministro

O ministro da Saúde considera que a decisão de suspender para já a deslocalização do Infarmed para o Porto “é coerente” com o que Governo tem afirmado e foi tomada tendo em conta a vontade dos trabalhadores da instituição.

Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, realça ministro da Saúde

Para Campos Fernandes, a análise feita pelo grupo de trabalho sobre a manifestação da vontade dos trabalhadores, que não pretendiam mudar para o Porto, constitui uma “barreira” à deslocalização do Infarmed.
Comentários