Bolsa de Lisboa em terreno negativo penalizada pelo setor energético

A tensão entre os Estados Unidos e o Irão vão continuar a dominar as notícias esta segunda-feira.

A bolsa de Lisboa está a recuar 0,0,6% para 5.123,33 pontos na sessão desta segunda-feira, 24 de junho. Na Europa, a maioria das praças negoceiam em terreno positivo: Paris sobe 0,23%, Londres valoriza 0,26%, Madrid ganha 0,55%, com a única exceção a ser Frankfurt que desce 0,069%.

Em Lisboa, a F. Ramada está a registar a maior subida: 6,32% para 7,40 euros. Segue-se a Sonaecom com um subida de 4,42% para 0,71 euros, e a Altri que ganha 2,64% para 5,63 euros.

Destaque para a Pharol que valoriza 1,59% para 0,15 euros e para a Mota-Engil que ganha 1,44% para 1,91 euros.

A negociar em terreno negativo encontram-se quatro cotadas. A EDP Renováveis desce 1,76% para 8,95 euros, e a REN perde 0,20% para 2,44 euros.

Já a EDP perde 0,15% para 3,39 euros, enquanto a Jerónimo Martins recua 0,03% para 14,29 euros.

A tensão entre os Estados Unidos e o Irão vão continuar a dominar as notícias esta segunda-feira. No domingo, os Estados Unidos realizaram uma série de ciberataques contra sismteas de misseis e redes de espionagem do Irão. Apesar da tensão, Donald Trump já garantiu que está disponível para chegar a um acordo com Teerão.

Ler mais
Recomendadas

Portugal emite 1,5 mil milhões de euros em dívida a curto prazo com taxas mais negativas

Portugal tem renovado mínimos nos custos de financiamento e a tendência voltou a verificar-se no leilão de dívida a seis e 12 meses desta quarta-feira.

PSI 20 acompanha queda das congéneres europeias depois de Trump admitir mais tarifas à China

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.255,12 pontos.

“O Conselho de Governadores é um Conselho e não um ‘one-woman show'”, diz economista-chefe da Allianz GI

Stefan Hofrichter diz ao Jornal Económico que o atual rumo da política monetária “limita” as opções em caso de recessão e destaca que as decisão do Banco Central Europeu dependem dos vários membros do Conselho de Governadores e não apenas do seu presidente.
Comentários