Bolsa de Lisboa pintada de ‘vermelho’. Sonae, EDP e BCP contrariam pessimismo

A Galp Energia recua 1,58% numa altura em que o preço do barril de petróleo está a cair mais de 1%.

A quinta-feira começa com perdas contidas nos mercados financeiros europeus. Cerca de meia hora após o arranque da sessão deste 10 de janeiro, a bolsa portuguesa mantém-se em terreno negativo, acompanhamento a trajetória descendente das principais praças europeias. O principal índice nacional desvaloriza 0,25%, para 4.911,64 pontos.

Em destaque no arranque da sessão de hoje está o setor da energia, depois de ter sido divulgado o balanço de novembro de 2018 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). O documento da ERSE deu conta de que a Galp Energia “manteve a sua posição como principal operador no mercado livre em consumo (60%), enquanto a EDP Comercial manteve a sua posição de liderança em número de clientes (55%), apesar da quebra registada desde o início do ano”.

A EDP avança 0,36%, para 3,09 euros e a EDP Renováveis sobe 0,51%. Quanto à Galp Energia e à REN, recuam 1,58% (14,35 euros) e 0,08% (2,55 euros), respetivamente.

A Mota-Engil, que tem sido uma das ações que tem liderado a recuperação do PSI 20, também desvaloriza (1,51%). A perder estão igualmente os títulos dos CTT (-0,65%) e da Jerónimo Martins (-0,19%).

Em contraciclo estão, por exemplo, as ações da Sonae (+2%) e as do BCP, que negoceiam em linha d’água com um ganho ligeiro de 0,04%, para 0,25 euros.

“Um outro motor do recente rally da bolsa portuguesa tem sido o BCP. Desde o dia 27 de dezembro valorizou-se cerca de 11% (a maior valorização entre as maiores capitalizações) face aos 8% do PSI 20”, referem, no habitual “Diário de Bolsa”, os analistas do CaixaBank BPI Research, que atribuem ao banco liderado por Miguel Maya um preço-alvo para finais de 2019 de 0,34 euros e uma recomendação de «comprar».

Ontem à noite as minutas da Reserva Federal norte-americana revelaram que alguns membros da Fed se mostraram reticentes com o aumento taxa de juros de referência (federal funds rate) anunciado após a reunião de dezembro. O banco central dos Estados Unidos anunciou o aumento de 25 pontos base, fixando os juros de referência para um intervalo entre 2,25% e 2,50%, na última reunião.

A falta de consenso fez tremer Wall Street mas não foi suficiente para fazer a bolsa de Nova Iorque fechar no ‘vermelho’. No entanto, os investidores da Europa acordaram pessimistas. O índice alemão DAX perde 0,80%, o britânico FTSE 100 recua 0,48%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,90%, o italiano FTSE MIB desce 0,43%, o espanhol IBEX 35 diminui 0,14% e holandês AEX tropeça 0,67%. O Euro Stoxx perde 0,04%.

A cotação do barril de Brent tomba 1,27%, para 60,66 dólares, enquanto a cotação do crude WTI perde 1,39%, para 51,67 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, nota para a apreciação de 0,11% do euro face ao dólar (1,1554) e para a desvalorização de 0,16% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2768).

Ler mais
Relacionadas

Wall Street treme mas fecha no ‘verde’ ajudada pela evolução das negociações com a China

A evolução das negociações com a China e as atas da Fed marcaram o dia. Wall Street fechou a subir, mas a estrela da sessão é o petróleo.

Bolsa fecha a subir em linha com a Europa. Pharol dispara com acordo com a Oi

As praças europeias encerraram a sessão na sua maioria em alta. Após três dias de reuniões entre os EUA e a China começam a surgir alguns sinais de entendimento para pôr fim à guerra comercial. Lisboa fechou em alta. A Pharol brilhou.
Recomendadas

EDP e EDP Renováveis elevam PSI20. Praças europeias encerram mistas

O principal índice bolsista português encerrou a sessão desta quinta-feira com uma ligeira subida 0,04%, para 5.267,78 pontos. As congéneres europeias terminaram com diferentes tendências face a decisão do FED apenas conhecida ontem após o fecho dos mercados na Europa.

34 anos depois, Wall Street volta a ‘vestir’ Levi Strauss. Regresso com subida superior a 30%

Para regressar aos mercados, a empresa colocou em circulação 36,66 milhões de ações, que chegaram aos investidores com um preço fixado de 17 dólares por título, um valor superior ao valor de referência fixado na oferta de saída que se situava entre os 14 e os 16 dólares.

Wall Street em alta depois da Fed manter as taxas de juro

Na indústria da saúde, a Biogen, gigante da biotecnologia, registou um tombo de mais de 27% depois de ter revelado que o seu medicamento experimental para combater a doença de Alzheimer não mostrou eficácia e a empresa parou o seu desenvolvimento.
Comentários