Bolsa de Lisboa pintada de ‘vermelho’. Sonae, EDP e BCP contrariam pessimismo

A Galp Energia recua 1,58% numa altura em que o preço do barril de petróleo está a cair mais de 1%.

A quinta-feira começa com perdas contidas nos mercados financeiros europeus. Cerca de meia hora após o arranque da sessão deste 10 de janeiro, a bolsa portuguesa mantém-se em terreno negativo, acompanhamento a trajetória descendente das principais praças europeias. O principal índice nacional desvaloriza 0,25%, para 4.911,64 pontos.

Em destaque no arranque da sessão de hoje está o setor da energia, depois de ter sido divulgado o balanço de novembro de 2018 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). O documento da ERSE deu conta de que a Galp Energia “manteve a sua posição como principal operador no mercado livre em consumo (60%), enquanto a EDP Comercial manteve a sua posição de liderança em número de clientes (55%), apesar da quebra registada desde o início do ano”.

A EDP avança 0,36%, para 3,09 euros e a EDP Renováveis sobe 0,51%. Quanto à Galp Energia e à REN, recuam 1,58% (14,35 euros) e 0,08% (2,55 euros), respetivamente.

A Mota-Engil, que tem sido uma das ações que tem liderado a recuperação do PSI 20, também desvaloriza (1,51%). A perder estão igualmente os títulos dos CTT (-0,65%) e da Jerónimo Martins (-0,19%).

Em contraciclo estão, por exemplo, as ações da Sonae (+2%) e as do BCP, que negoceiam em linha d’água com um ganho ligeiro de 0,04%, para 0,25 euros.

“Um outro motor do recente rally da bolsa portuguesa tem sido o BCP. Desde o dia 27 de dezembro valorizou-se cerca de 11% (a maior valorização entre as maiores capitalizações) face aos 8% do PSI 20”, referem, no habitual “Diário de Bolsa”, os analistas do CaixaBank BPI Research, que atribuem ao banco liderado por Miguel Maya um preço-alvo para finais de 2019 de 0,34 euros e uma recomendação de «comprar».

Ontem à noite as minutas da Reserva Federal norte-americana revelaram que alguns membros da Fed se mostraram reticentes com o aumento taxa de juros de referência (federal funds rate) anunciado após a reunião de dezembro. O banco central dos Estados Unidos anunciou o aumento de 25 pontos base, fixando os juros de referência para um intervalo entre 2,25% e 2,50%, na última reunião.

A falta de consenso fez tremer Wall Street mas não foi suficiente para fazer a bolsa de Nova Iorque fechar no ‘vermelho’. No entanto, os investidores da Europa acordaram pessimistas. O índice alemão DAX perde 0,80%, o britânico FTSE 100 recua 0,48%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,90%, o italiano FTSE MIB desce 0,43%, o espanhol IBEX 35 diminui 0,14% e holandês AEX tropeça 0,67%. O Euro Stoxx perde 0,04%.

A cotação do barril de Brent tomba 1,27%, para 60,66 dólares, enquanto a cotação do crude WTI perde 1,39%, para 51,67 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, nota para a apreciação de 0,11% do euro face ao dólar (1,1554) e para a desvalorização de 0,16% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2768).

Ler mais
Relacionadas

Wall Street treme mas fecha no ‘verde’ ajudada pela evolução das negociações com a China

A evolução das negociações com a China e as atas da Fed marcaram o dia. Wall Street fechou a subir, mas a estrela da sessão é o petróleo.

Bolsa fecha a subir em linha com a Europa. Pharol dispara com acordo com a Oi

As praças europeias encerraram a sessão na sua maioria em alta. Após três dias de reuniões entre os EUA e a China começam a surgir alguns sinais de entendimento para pôr fim à guerra comercial. Lisboa fechou em alta. A Pharol brilhou.
Recomendadas

Ásia atrai investidores com retornos de 9%

Mercados emergentes podem crescer 8% até 2023, o dobro dos EUA e Europa. Regulação menos restritiva pode tornar a China continental numa alternativa ao investimento em Hong Kong e Singapura.

Visa diz que IA vai tornar o crédito mais personalizado

Antony Cahill, administrador da Visa, não decreta a ‘sentença de morte’ ao numerário, embora já nem use cartões de crédito. “Faço tudo pelo telefone”.

‘Guerra comercial’ afeta setor tecnológico e arrasta Wall Street

Conflito comercial entre EUA e China está a afetar o setor tecnológico e os outros índices foram arrastados para o ‘vermelho’.
Comentários