Bolsa de Xangai tombou para mínimos de 2014

A principal praça financeira da China fechou a cair 5,22%, para 2.583,46 pontos, o nível mais baixo desde novembro de 2014.

A bolsa de Xangai, principal praça financeira da China, fechou esta quinta-feira a cair 5,22%, para 2.583,46 pontos, o nível mais baixo desde novembro de 2014.

Shenzhen, a segunda praça financeira do país, recuou 6,07%, para 7.524,09 pontos.

A queda nas praças financeiras chinesas surge após um recuo na bolsa de Wall Street, face à possibilidade da Reserva Federal norte-americana continuar a subir as taxas de juro este ano, o que aumentaria os custos de financiamento das empresas e pode abrandar o crescimento económico global.

A Reserva Federal deverá voltar a subir as taxas de juro antes do fim do ano.

O nervosismo nos mercados deve-se também às crescentes disputas comerciais entre Estados Unidos e China, em torno das ambições chinesas para o setor tecnológico.

Recomendadas

Estrangeiros vendem perto de mil milhões de euros em ações da Arábia Saudita

Esta é uma das maiores vendas desde que o mercado abriu para direcionar as compras externas em meados de 2015, numa semana em que os investidores foram abalados pela deterioração das relações da Arábia Saudita com governos estrangeiros após o desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi.

Um em cada dez investidores institucionais já usa Inteligência Artificial

“É tentador assumir que a rapidez, eficiência e os menores atritos criam mercados mais precisos e seguros, mas este não é necessariamente o caso. Em muitos casos as ineficiências simplesmente aumentam”, alertou Paras Anand, diretor de gestão de ativos da Ásia na Fidelity International.

Inflação na Argentina vai atingir novo pico este mês, segundo ministro do Tesouro

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.
Comentários