Bolsa de Xangai tombou para mínimos de 2014

A principal praça financeira da China fechou a cair 5,22%, para 2.583,46 pontos, o nível mais baixo desde novembro de 2014.

A bolsa de Xangai, principal praça financeira da China, fechou esta quinta-feira a cair 5,22%, para 2.583,46 pontos, o nível mais baixo desde novembro de 2014.

Shenzhen, a segunda praça financeira do país, recuou 6,07%, para 7.524,09 pontos.

A queda nas praças financeiras chinesas surge após um recuo na bolsa de Wall Street, face à possibilidade da Reserva Federal norte-americana continuar a subir as taxas de juro este ano, o que aumentaria os custos de financiamento das empresas e pode abrandar o crescimento económico global.

A Reserva Federal deverá voltar a subir as taxas de juro antes do fim do ano.

O nervosismo nos mercados deve-se também às crescentes disputas comerciais entre Estados Unidos e China, em torno das ambições chinesas para o setor tecnológico.

Recomendadas

Spiros Martinis Spettel será o primeiro CEO da parceria entre EDP e Engie

Mandatos na nova ‘joint venture’ vão durar três anos. No primeiro, é a EDP Renováveis a nomear o CEO, enquanto a Engie escolhe o ‘chairman’ e o COO, enquanto no seguinte será ao contrário.

Alívio na guerra comercial inspira otimismo em Wall Street

A redução das restrições dos Estados Unidos na guerra comercial com a China e para com a Huawei, levaram as empresas que fornecem produtos ao grupo tecnológico a valorizar as suas ações.

Mexia: “Parceria da EDP com a Engie é uma medida natural no mercado”

O CEO da empresa portuguesa falou em Londres, na apresentação da parceria com a energética francesa. A ‘joint venture’ destina-se a criar líder de mercado no energia eólica ‘offshore’ e deve ser estabelecida até ao final do ano.
Comentários