Bolsa em queda com Semapa, Mota e CTT a liderarem perdas. Europa tomba

“As praças europeias fecharam em baixa com os investidores a digerirem mais um episódio do clima de tensão entre EUA e o Irão, isto depois de Trump anunciar a intenção de impor novas sanções”, explica o analista Ramiro Loureiro, do Millennium BCP (Mtrader).

Daniel Munoz/Reuters

O PSI 20 caiu 0,93% para 5.078.41 pontos com as ações da Semapa (-1,75% para 12,320 euros); da Mota-Engil (-1,60% para 1,850 euros); dos CTT (-1,59% para 2,1 euros) e as da EDP Renováveis (-1,43% para 8,98 euros) a liderarem as perdas.

Em alta, a Sonae Capital (+2,51% para 0,695 euros); a NOS (+0,43% para 5,825 euros); BCP (+0,12% para 0,2601 euros); e Altri (+1% para 5,540 euros).

A F. Ramada subiu 2,59% para 7,14 euros e a Ibersol (+0,50% para 8,10 euros).

Lisboa acompanhou a Europa que fechou em baixa.

“As praças europeias fecharam em baixa com os investidores a digerirem mais um episódio do clima de tensão entre EUA e o Irão, isto depois de Trump anunciar a intenção de impor novas sanções”, explica o analista Ramiro Loureiro, do Millennium BCP (Mtrader).

No plano empresarial, o tombo de 3,75% da Daimler  arrastou o setor de automóveis. A francesa Renault caiu 1,00%; a BMW deslizou 1,24%; e a Peugeot perdeu 1,34%, só para dar alguns exemplos.

Tudo porque a Daimler voltou a emitir um profit warning. A dona da Mercedes-Benz antecipa uma estagnação do EBIT em 2019. A empresa justifica com o aumento de provisões relacionadas com o caso do dieselgate.

O EuroStoxx 50 caiu 0,33% para 3.455,6 pontos; o CAC perdeu 0,12% para 5.521.7 pontos; o Dax recuou 0,53% para 12.274,6 pontos; o IBEX deslizou  0,38% 9.192,5 pontos e o FTSE MIB registou perdas de 0,49% para 21.284,1 pontos.

A exceção foi o FTSE 100 que subiu 0,12% para 7.416,7 pontos.

Os indicadores de confiança IFO, da Alemanha, continuam em queda e é mais um fator a condicionar o mercado. A confiança dos empresários alemães continua em queda, e arrefeceu ainda mais. O Ifo Business Climate Index caiu de 97,9 pontos em maio para 97,4 pontos em junho. Este é o nível mais baixo desde novembro de 2014. As empresas estão cada vez mais pessimistas com relação aos próximos meses.

Também o indicador que mede as expectativas para os próximos 6 meses se degradou ao passar dos 95,2 para os 94,2 em junho.

No plano empresarial, há a destacar ainda a venda de 80% do negócio chinês por parte da Carrefour. A retalhista francesa aceitou vender 80% da sua unidade chinesa à Suning.com por 698 milhões de dólares.

O petróleo  está em queda, com o Brent a perder 1,40% para 64,29 dólares, e o West Texas a cair nesta altura 0,52% para 57,13 dólares, isto perante a nota de que os EUA preparam novas sanções ao Irão.

De resto, o mercado aguarda pelo encontro entre Trump e o líder chinês no final da semana.

O euro subiu 0,17% para 1,1388 dólares.

A dívida alemã a 10 anos cai 2,2 pontos base para 0,307%, ao passo que a dívida nacional cai 5,5 pontos base para 0,525% e a espanhola 3 pontos base para 0,408%. A dívida italiana tem os juros em queda de 0,5 pontos base para 2,154%.

Ler mais
Recomendadas

Portugal emite 1,5 mil milhões de euros em dívida a curto prazo com taxas mais negativas

Portugal tem renovado mínimos nos custos de financiamento e a tendência voltou a verificar-se no leilão de dívida a seis e 12 meses desta quarta-feira.

PSI 20 acompanha queda das congéneres europeias depois de Trump admitir mais tarifas à China

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.255,12 pontos.

“O Conselho de Governadores é um Conselho e não um ‘one-woman show'”, diz economista-chefe da Allianz GI

Stefan Hofrichter diz ao Jornal Económico que o atual rumo da política monetária “limita” as opções em caso de recessão e destaca que as decisão do Banco Central Europeu dependem dos vários membros do Conselho de Governadores e não apenas do seu presidente.
Comentários