Bolsa nacional continua em alta. Euro sobe após BCE ter mantido taxas de juro

O principal índice português, PSI 20, ganha 0,90%, para 5.387,53 pontos, impulsionado pelas subidas da Altri e do setor da energia.

Benoit Tessier / Reuters
Ler mais

A bolsa portuguesa está esta quinta-feira, dia 8 de março, a negociar, a meio da sessão, em terreno positivo, enquanto as praças europeias seguem a negociar sem tendência definida. O principal índice português, PSI 20, ganha 0,90%, para 5.387,53 pontos, impulsionado pelas subidas da Altri e do setor da energia.

A Altri é a cotada que mais sobe, ao valorizar 3,91% para 4,780 euros. Steven Santos, gestor do BiG, explica que “a empresa encontrou um suporte técnico nos 4,45 euros desde o início do mês e tem vindo a evidenciar força para continuar a trajetória de ganhos”.

A EDP ganha 3,07% para 2,920 euros, depois de ter contratado com 17 bancos uma linha de crédito no montante de 2.240 milhões de euros, pelo prazo de cinco anos. A nova linha de crédito surge em substituição de uma outra de 2.000 milhões de euros, que vencia em fevereiro de 2020, e pode ser extensível por dois anos. No setor da energia, a EDP Renováveis soma 1,88% para 7,320 euros, a Galp Energia sobe 0,24% para 14,665 euros e a REN avança 1,05% para 2,494 euros.

O BCP regressou também aos ganhos e está agora a valorizar 0,14% para 0,291 euros. O banco liderado por Nuno Amado tem sido fortemente penalizado nas últimas sessões pela queda da bolsa italiana, que sofreu pesadas quedas após as eleições legislativas em Itália, que deram vitória ao partido antissistema Movimento Cinco Estrelas, fundado pelo comediante Beppe Grillo.

Em terreno positivo estão também a NOS (2,41%), a Sonae (0,09%), a Mota-Engil (0,92%), a Semapa (1,16%), a Sonae Capital (0,09%), a Navigator (0,72%) e a Corticeira Amorim (0,40%).

Em contraciclo, destaca-se a Pharol, que perde 2,12% para 0,207 euros. A empresa está ainda a ser penalizada pelo “conflito litigioso com a empresa de telecomunicações brasileira Oi”. Steven Santos explica que a Pharol está a tentar bloquear o aumento de capital da Oi, mas a empresa insiste que este deve se aplicado, tendo em conta a necessidade de reestruturar a empresa.

Esta quinta-feira foi também anunciado o afastamento de vários acionistas com participações maioritárias da administração na operadora. Luís Palha da Silva e Pedro Morais Leitão, da Pharol, foram uns dos administradores afastados.

Os CTT recuam 0,25% para 3,146 euros. Steven Santos nota que a cotada esteve a subir durante quase toda a manhã, tendo entretanto invertido a tendência. “Os CTT estão praticamente inalterados, tendo em conta que já tinha vindo a desvalorizar”, afirma Steven Santos. O impacto das quedas anunciadas esta quarta-feira à CMVM é, por isso, menor.

O lucro da empresa de serviço postal registou um tombo histórico de 56,1% para 27,3 milhões de euros, mas os analistas viram com bons olhos a subida do negócio do correio e mantiveram a recomendação de compra para as ações da empresa.

Os analistas do Caixa BI decidiram indicam que os resultados relativos ao quarto trimestre de 2017 foram “ligeiramente melhores que o esperado”, especialmente no que toca ao negócio de Correio e de Expresso & Encomendas. “Os resultados de 2017 foram 3.3% e 1.6% melhores que as nossas estimativas a nível de receitas e de EBITDA, respetivamente”, diz a nota de “research” emitida pela casa de investimento.

A cair estão também a Jerónimo Martins (-0,73%), a Ibersol (-0,88%) e a Novabase (-1,43%).

As restantes praças europeias negoceiam mistas. O francês CAC 40 sobe 0,40%, o britânico FTSE 100 avança 0,03%, o holandês AEX aprecia 1,17%, o italiano FTSE MIB ganha 0,48% e o espanhol IBEX 35 valoriza 0,13%. Em sentido contrário, o índice alemão DAX perde 0,34%.

“Os índices europeus estão positivos, à exceção do DAX. A bolsa de Frankfurt está a ser pressionada pelos dados das encomendas à industria revelados esta manhã, que desiludiram bastante os analistas”, explica o gestor do BiG.

No mercado petrolífero, o Brent cai 0,48% para os 64,03 dólares por barril e o crude WTI desvaloriza 0,29% para os 60,97 dólares. “A tendência de queda neste setor é bastante provável para os próximos dias, depois da demissão de Gary Cohn, assessor económico do presidente norte-americano, Donald Trump”, indica Steven Santos. “Gary Cohn era uma espécie de guardião da retórica protecionista de Trump, que trazia alguma confiança a Wall Street. Com a sua saída, há o receio de uma política mais agressiva por parte dos Estados Unidos”, acrescenta.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,23%, para 1,244 dólares e a libra deprecia 0,04%, para 1,389 dólares, depois do Banco Central Europeu (BCE) ter anunciado que vai manter as taxas de juro na zona euro inalteradas e em mínimos históricos.

Recomendadas

Trump acusa a OPEP de “enganar o mundo” para subir preços do petróleo

Presidente norte-americano tem sido um crítico do acordo de cortes de produção petrolífera, implementada pela OPEP. Nas Nações Unidas, voltou a tecer duras críticas contra a organização.

BCP, Galp e Mota elevam Bolsa de Lisboa para ganhos

A banca em toda a Europa do sul está em alta devido ao abrandamento da pressão sobre a dívida italiana. Os juros da dívida italiana a 10 anos caem 7,3 pontos base para 2,876%. As principais praças fecharam no verde.

Pedro Siza Vieira: BdP deve evitar cair nos extremos da supervisão

O Ministro Adjunto usou o exemplo da queda do Lehman Brothers para referir que a supervisão comportamental aprendeu com a crise, mas também para sublinhar a importância de avaliar o risco.
Comentários