Bolsa nacional negoceia no ‘vermelho’ pressionada pelos CTT e energia

Os CTT são a cotada que mais perde, estando a registar uma variação negativa de 1,72% para 2,978 euros.

José Manuel Ribeiro/Reuters
Ler mais

A bolsa nacional negoceia esta terça-feira, 17 de abril, em terreno negativo, a meio da sessão, acompanhando o sentimento das praças europeias. O principal índice, PSI 20, caiu 0,35%, para 5.434,62 pontos, devido às desvalorizações das ações do setor da energia e dos CTT.

Os CTT são a cotada que mais perde, estando a registar uma variação negativa de 1,72% para 2,978 euros. As ações do serviço postal caíram para mínimos históricos, tendo tocado nos 2,952 euros. Desde o início do ano, a empresa acumulado uma desvalorização de 15%.

A queda dos CTT em bolsa antecede o dia da assembleia-geral anual da empresa, onde os acionistas devem aprovar um dividendo de 38 cêntimos. O dividendo que se espera que venha a ser aprovado é quase o dobro do que deveria ser, tendo em conta os lucros que a empresa teve em 2017. A apresentação dos resultados da empresa à Comissão do Mercado de Valores Mobiliário (CMVM) deve acontecer no próximo dia 2 de maio.

No setor da energia, a EDP recua 0,41% para 3,144 euros, a EDP Renováveis perde 1,69% para 7,875 euros, a Galp Energia resvala 0,80% para 15,585 euros e a REN cai 0,71% para 2,522 euros.

A Jerónimo Martins, que recebeu uma recomendação de upgrade pelo HSBC está também a acompanhar a tendência negativa do índice. A HSBC subiu a recomendação da retalhista, da categoria “reduzir” para “manter”, tendo no entanto mantido o price target da empresa nos 14 euros. A empresa já esteve a valorizar, mas está agora a recuar 0,14% para 14,320 euros.

Em terreno negativo estão também o BCP (-0,04%), a NOS (-0,12%), a Ibersol (-0,44%), a Pharol (-0,85%) e a Altri (-1,09%).

A negociar no ‘verde’ destaca-se a Mota-Engil, que valoriza 1,73% para 3,520 euros. A empresa está a recuperar das perdas das últimas sessões. A subir estão ainda a Semapa (0,32%) e a Navigator (0,13%).

Já a Sonae sobe 0,82% para 1,104, impulsionada pelo upgrade na avaliação da Haitong. O banco de investimento internacional subiu a recomendação de “manter” para “compra”, tendo no entanto reduzido o price target de 1,33 para 1,27 euros.

As restantes bolsas europeias negoceiam também em alta. O índice alemão DAX soma 0,18%, o espanhol IBEX 35 valoriza 0,35%, o francês CAC 40 ganha 0,54%, o britânico FTSE 100 sobe 0,19%, o holandês AEX aprecia 0,62% e o italiano FTSE MIB segue com uma variação positiva de 1,27%.

“Mais uma semana e mais acusações sopram do outro lado do Atlântico. Desta vez o presidente dos Estados Unidos [Donald Trump] anuncia que a Rússia e a China estão a entrar num jogo de desvalorização das próprias moedas e como sabemos, a Balança Comercial é um dos pilares da administração Trump”, explica Carla Maia Santos, gestora da corretora XTB.

Carla Maia Santos indica que “se o yuan ou o rublo desvalorizam face ao dólar, as exportações destes países tornam-se mais competitivas para países que tenham dólar”, o que significa que os Estados Unidos têm mais interesse em importar bens comerciais a estes países.

“Esta hipótese iria aumentar o défice da Balança Comercial norte-americana e isto é tudo o que Donald Trump não quer. Vislumbra-se assim, a possibilidade do governo dos EUA se focar na política cambial, levando à desvalorização do dólar. Se assim for, podemos ver o euro/dólar a quebrar em alta o range onde se encontra este ano e as matérias-primas denominadas em dólares também poderão reagir em alta”, alerta a gestora da XTB.

No mercado cambial, o euro perde 0,20%, para 1,235 dólares e a libra recua 0,13%, para 1,432 dólares.

Já no mercado petrolífero, o Brent soma 0,03%, para 71,44 dólares por barril, e o crude WTI valoriza 0,09%, para 66,28 dólares.

Relacionadas

Oi prevê baixar dívida em 71% e valor da empresa mais do que quintuplica

A Oi estima que a sua dívida diminua de 65 para 19 mil milhões de reais (de 15,3 para 4,5 mil milhões de euros) na sequência da conversão de passivo em capital. Depois do Plano de Recuperação está previsto que a Oi passará a valer “em torno de 15 mil milhões de reais” (3,5 mil milhões de euros), ou seja, 5,8 vezes o valor da capitalização bolsista atual.

CTT e energia arrastam PSI 20 para terreno negativo

A bolsa portuguesa está a contrariar os ganhos da Europa, que segue animada com o “abrandamento das tensões no Médio Oriente”, indica Paulo Rosa, ‘trader’ da Gobulling – Banco Carregosa

Ações da Martifer sobem 15% depois de a empresa ter encerrado um ciclo de sete anos de prejuízos

A empresa liderada pelos irmãos Carlos e Jorge Martins subiu 15,54% para 0,394 euros, o que corresponde ao valor mais elevado desde o final do mês de janeiro.
Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha em terreno negativo em contra-ciclo com a Europa

A família Sonae, a Mota-Engil e a Pharol estragaram a sessão da bolsa lisboeta ao registarem quedas acima de 3%. A maioria das praças europeias encerrou em alta, com os índices ibéricos a registarem performances inferiores aos pares. O Euro Stoxx 50 registou a décima sessão consecutiva de valorização.

Estreia de sonho. Ações da Farfetch valorizam 35% em Wall Street

A Farfetch, empresa de e-commerce ligada ao ramo de luxo, liderada pelo português José Neves, começa a negociar na bolsa nova-iorquina esta sexta-feira.

Wall Street abre no ‘verde’ com Dow Jones e S&P a renovarem máximos em dia de Farfetch

Clima de otimismo continua a ‘reinar’ entre os investidores dos principais índices norte-americanos. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma revisão em alta do preço de colocação no IPO (oferta pública inicial).
Comentários