Bolsa portuguesa abre sessão a perder, influenciada pela queda superior a 4% da Sonae

O PSI 20 abriu esta terça-feira a perder 0,06%, para 4.993,66 pontos.

O principal índice bolsista nacional, PSI 20, abriu esta terça-feira a perder 0,06%, para 4.993,66 pontos,  a seguir a tendência das principais praças europeias.

De acordo com o diário da bolsa do BPI, o PSI deverá atuar em linha com o resto dos mercados europeus, com “os investidores nacionais a monitorizarem a evolução das bolsas antes de tomarem decisões.

Em Lisboa, Sonae SGPS (-4,17%), Altri (-0,94%), Galp (-0,83%) e Ibersol (-0,89%) pressionam o índice.

Em contraciclo, destacam-se as valorizações da NOS (1,27%), Corticeira Amorim (1,57%) e EDP (0,78%) e EDP Renováveis (0,80%), embora sejam insuficientes para inverter a tendência atual do PSI 20.

Na sessão de hoje as cotações das papeleiras poderão destacar-se ao longo do dia, uma vez que as “ações da pasta e do papel continuarão a negociar de forma volátil”.

De acordo com o diário da bolsa do BPI, o desempenho das papeleiras tem sido influenciado pela instabilidade da conjuntura internacional e por questões específicas do setor. “Entre essas variáveis figuram o câmbio euro/dólar [que afeta os preços da pasta e papel assim como os custos de produção], regulamentação [como a taxa anti-dumping nos EUA] e a alteração da relação entre a oferta e a procura em virtude da contrução de mais fábricas nos EUA”.

 

Ler mais
Recomendadas

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.

“O BCE não vai ter condições para subir taxas de juro em 2019”

A inversão do ciclo nos mercados ainda não chegou, mas está a caminho, refere o analista. No cenário mais pessimista é até mais provável que o BCEreinicie o programa de compras que aumentar taxas.

Wall Street encerra em alta com China a poder aumentar importações americanas no valor de 1 trilião de dólares

A China poderá aumentar as importações de produtos norte-americanos que, no total, valem mais de 1 bilião de dólares, o que reduziria o déficit comercial que os EUA têm no comércio com os chineses.
Comentários