Bolsonaro cresce nas intenções de voto, revela sondagem

Bolsonaro é o favorito à vitória na 2ª volta das eleições do Brasil. Francisco Haddad só leva a melhor entre os mais pobres e entre os eleitores do nordeste do Brasil. Brasileiros voltam às urnas dia 28.

Varela Notícias

Na mais recente sondagem feita ao longo do fim-de-semana no Brasil, os resultados sugerem que as intenções de voto em Jair Bolsonaro são de 59%. Cerca de 41% dos eleitores diz votar “com certeza” em Bolsonaro, enquanto apenas 28% vão votar em Haddad, revelou a agência brasileira, Globo.

O estudo revela também que 35% dos sondados dizem que não votariam “de jeito nenhum” no candidato do Partido Social Liberal, essa percentagem sobe para 47% no caso de Francisco Haddad. Esses dados foram recolhidas pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) e provam que Bolsonaro vai para a segunda volta com a preferência do eleitorado.

Entre os sondados do sexo masculino, 48% vão votar “com certeza” em Jair Bolsonaro, ou seja, mais 21 pontos percentuais do que Francisco Haddad entre os homens. Entre as mulheres, apesar dos movimentos #elenao, Jair Bolsonaro também é o preferido: 35% vai voltar em Bolsonaro e 29% vai votar em Haddad. Entre os homens, 30% diz que “não votaria” em Jair Bolsonaro e 51% não votaria em Francisco Haddad; enquanto entre as mulheres 39% “não votaria” em Bolsonaro e 43% não votaria em Haddad.

Segundo o estudo do Ibope, Francisco Haddad só tem maior vantagem em duas circunstâncias. Uma delas é nos casos dos agregados familiares com renda de apenas um salário mínimo: nesses casos, 39% votaria com certeza em Haddad enquanto apenas 28% votaria em Bolsonaro. E, também, nos sondados que vivem no nordeste do Brasil. Lá, 43% votaria ”com certeza” em Francisco Haddad enquanto apenas 28% votaria ”com certeza” em Bolsonaro; e 30% nunca votaria em Haddad, mas essa percentagem é maior para Jair Bolsonaro: 49%.

As maiores diferenças percentuais entre os dois candidatos na segunda volta do Brasil acontecem entre as pessoas caucasianas (ou como rotula a sondagem, ”pessoas de cor de pele branca”) 49% votaria com certeza em Bolsonaro, enquanto 22% votaria em Haddad.

Entre os evangélicos a diferença entre os dois candidatos também é muito grande: 55% dos evangélicos votaria em Bolsonaro enquanto apenas 16% votaria em Francisco Haddad. No sul do Brasil a preferência também vem sem margens de dúvida para Bolsonaro: 51% dos sondados votaria nele, enquanto 22% votaria em Haddad.

A diferença entre os dois candidatos também é gritante entre os mais ricos. Entre os sondados cuja renda familiar equivale a mais do que cinco salários mínimos, 55% deles diz que vai votar em Bolsonaro enquanto apenas 20% vai votar em Haddad. Quanto mais pobres forem os sondados, menores as intenções de votar em Bolsonaro e maiores as intenções de votar em Haddad.

Ler mais
Relacionadas

Marques Mendes: Bolsonaro vai ganhar com mais de 60%

Analista político disse ainda que já se conseguiu um acordo entre os negociadores da União Europeia e do Reino Unido para os termos do ‘Brexit’.

Bolsonaro promete governar com “autoridade, mas sem autoritarismo”

O antigo capitão do exército brasileiro, de 63 anos, que venceu a primeira volta com uma percentagem de 46,93%, prometeu, ainda, na entrevista à rede brasileira de televisão “Globo”, “pacificar e unir o povo brasileiro sob a bandeira verde e amarela”.

Presidenciais no Brasil: Bolsonaro dá força ao real e à bolsa

“O Real brasileiro entrou numa curta corrida acelerada ascendente, com os mercados a avaliarem positivamente uma vitória da extrema-direita de Bolsonaro”, explicaram os analistas da Ebury.
Recomendadas

Crise dos combustíveis: Costa garante que Presidente da República esteve permanentemente informado

Primeiro-ministro assegura que o Governo cumpriu “sempre, sem nenhuma queixa” por parte do Presidente da República, “o dever de o manter permanentemente informado dos assuntos relevantes para a governação interna e externa do país”.

Combustíveis: Costa salienta “serenidade” do Governo e condena aproveitamentos políticos

Na perspetiva do líder do executivo, ao longo da greve decretada pelos motoristas, que gerou uma crise no abastecimento de combustíveis em todo o país, o Governo procurou sempre “criar as condições” para que as partes se sentassem à mesa “e o conflito fosse ultrapassado em paz, no respeito por uns e por outros”.

Despedimentos nos bancos aumentam 30% devido ao Brexit

A empresa britânica de tecnologia Talent Ticker mediu o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia nos trabalhadores dos serviços financeiros e concluiu que houve mais 30% de bancos a cortar postos de trabalho.
Comentários