‘Boom’, recessão, travagens e retoma tímida: a economia portuguesa vista por Blanchard

O antigo economista-chefe do FMI e o investigador Pedro Portugal analisaram a economia portuguesa nos últimos 20 anos e definiram prioridades para acelerar o crescimento. Reformar o mercado laboral e limpar o crédito mal-parado da banca são algumas das propostas.

O desemprego diminuiu, mas permanece elevado, enquanto a produção está muito abaixo do potencial. Esta é a avaliação de Olivier Blanchard sobre a economia portuguesa. O antigo economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a olhar para o país e identificou os diferentes momentos que marcaram o o crescimento económico nas últimas décadas.

“Ao longo dos últimos 20 anos, Portugal passou por um boom, uma quebra, uma travagem súbita e agora uma recuperação tímida”, escrevem Blanchard e Pedro Portugal num estudo publicado pelo Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE), do ministério da Economia, que se segue a uma análise semelhante feita pelo ex-economista-chefe do FMI em 2007.

Os anos de ouro da economia nacional aconteceram entre 1995 e 2001, mas o boom transformou-se em declínio em 2002 devido a uma quebra acentuada no procura interna. A isto, seguiram-se dois choques que abalaram o país: em 2008, a crise financeira que começou nos EUA e se tornou global e, em 2011, a crise da dívida soberana dos países da moeda única, incluindo Portugal.

Timidez deve durar, pelo menos, quatro anos

A “retoma tímida” é o nome dado por Blanchard e Portugal ao período desde 2014 e que se prevê durar até 2021. “Desde 2014, o crescimento do PIB tornou-se positivo, mas manteve-se baixo, com uma média de 1,1% entre 2014 e 2016”, dizem, lembrando que as previsões do FMI indicam um crescimento contínuo em torno de 1,3% nos próximos quatro anos.

Sobre a situação atual da economia nacional, os autores sublinham a diminuição do desemprego para 11,1% no ano passado, de 16,2% em 2013. “Olhando para o futuro a descida é, no entanto, muito lenta: até ao fim do horizonte da estimativa, a previsão para a taxa de desemprego ainda é 8,8%”. Acrescentam que “a competitividade melhorou, mas é necessário mais para manter a conta corrente controlada à medida que a economia recupera”.

Tanto a dívida privada como a pública continuam elevadas, legados dos momentos de boom, de travagem na expansão da economia e da paragem súbita. “Devido ao elevado endividamento e ao baixo crescimento, a recuperação continua frágil”, escrevem os investigadores.

“Com baixo crescimento, o rácio de dívida pública ou privada em relação ao PIB não deverá diminuir muito. A previsão do rácio da dívida pública face ao PIB é praticamente a mesma em 2021, que em 2013, 124% contra 129%. E, de forma mais preocupante, o baixo crescimento levou a um aumento constante da proporção de empréstimos improdutivos para empresas não financeiras, tendo atingido 19,8% em 2015”.

Crédito mal-parado trava o crescimento

Blanchard e Portugal definem as principais áreas que poderão desbloquear o crescimento económico nacional no futuro. “A primeira é o tratamento dos empréstimos improdutivos, que permitiria um aumento da procura a curto prazo e um aumento na oferta a médio prazo. Defendemos que, na medida em que tal tratamento requer recapitalização, pode ser sensato financiá-lo através de um aumento do défice orçamental, mesmo face à elevada dívida pública”.

“Não existe uma varinha mágica” para resolver os problemas da banca, lembram os economistas. No entanto, consideram que “a melhor opção” é limpar o crédito mal-parado das folhas de balanço dos bancos, adotar medidas de recapitalização adequadas e, nalguns casos, fazer alterações à estrutura governativa.

Segundo os dois autores, o Governo deve ainda intensificar reformas na produção e no mercado de trabalho. “A prioridade é diminuir o défice de produção remanescente e diminuir o desemprego mais rapidamente que nas previsões atuais”, defendem, fazendo uma ressalva sobre a forma como implementar as reformas em questão.

“Simultaneamente, também defendemos que, neste momento, algumas políticas não seriam aconselháveis, entre as quais uma consolidação orçamental mais rápida, medidas destinadas a diminuir os salários nominais e os preços, e a saída do euro”.

Ler mais
Relacionadas

Olivier Blanchard: “Cortar salários seria contraproducente”

Ex-economista chefe do FMI sustenta que Portugal ganhou competitividade nos últimos anos, o que torna uma redução de salários desnecessária. Essa medida poderia levar à deflação e agravar o problema da dívida.

Uma ideia simples para fazer crescer a economia

O Estado português paga uma taxa de juro real pouco superior a 1% para contrair empréstimos de longo prazo. Será assim tão difícil encontrar projetos com uma rentabilidade superior?

Olivier Blanchard defende solução para malparado com dinheiros públicos

O antigo economista chefe do FMI Oliver Blanchard defendeu hoje que Portugal deve avançar para uma solução para o crédito malparado dos bancos, mesmo que essa medida implique a utilização de dinheiros públicos e um aumento do endividamento do Estado.

Quatro ideias para explicar a retoma mais lenta de sempre

A Grande Recessão foi em 2009, e a crise da dívida europeia acabou, de forma oficiosa, em 2013. Mas apesar de a retoma já correr há quase quatro anos, é difícil ficar satisfeito com o que se viu até aqui. O crescimento é escasso e não chega sequer para que as economias recuperem o terreno […]
Recomendadas

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Taxas Euribor sobem a três, seis, nove e 12 meses

As taxas Euribor subiram esta quinta-feira 0,001 pontos a três, seis, nove e 12 meses em relação a quarta-feira.

Tens 18 anos? Bruxelas volta a oferecer passes de Interrail grátis

Os jovens interessados em viajar pela Europa durante cerca de 30 dias podem candidatar-se até ao próximo dia 11 de dezembro.
Comentários