Premium‘Boutiques’ jurídicas apostam nos serviços personalizados

Para serem competitivos com as grandes sociedades, os pequenos escritórios privilegiam o serviço ‘tailor made’, a formação dos advogados e têm a certeza de que quem é bem assessorado acabará por voltar.

A reputação, a experiência e o percurso histórico são elementos muito valorizados pelos cidadãos e pelas empresas no momento de escolherem os seus advogados. Para o advogado José Costa Pinto, fundador da Costa Pinto Advogados, em Lisboa, “para se ter oportunidades é preciso ter experiência, mas para se ter experiência é preciso ter oportunidades”. Ou seja, uma espécie de “ciclo vicioso”.

“No nosso percurso, o que temos procurado fazer é ter um foco permanente em todos os fatores que dependem de nós e tratar cada assunto com total diligência técnica e ética e, desse modo, procurar transformar o “ciclo vicioso” que referia num “ciclo virtuoso”. Perceciono que os clientes que são bem assessorados acabam por voltar ou recomendar o nosso escritório a terceiros”, afirma o advogado, que fundou o escritório em abril de 2013 e tem uma equipa de sete colaboradores.

Para este advogado “as oportunidades acabam por surgir, seja através de contactos profissionais, amigos ou familiares, bem como de outros colegas que, por conflito de interesse ou qualquer outro motivo, preferem não assumir um determinado assunto e referenciá-lo a outro advogado da sua confiança”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumSociedades anónimas têm quatro dias para identificar acionistas

Incumprimento pode determinar exoneração da qualidade de acionista. Advogados apontam contradições com proteção de dados

Dia da Propriedade Intelectual: Criei uma marca. O que posso fazer para a registar?

Os advogados do departamento de TMT & Propriedade Intelectual da sociedade CCA explicam o que fazer para registar uma marca. O primeiro passo? Verificar se preenche determinados requisitos para que o seu registo seja concedido. Comemora-se esta sexta-feira o Dia Mundial da Propriedade Intelectual.

Presidente do Supremo Tribunal pode receber mais 600 euros mensais do que o primeiro-ministro

Os salários dos magistrados têm um limite salarial máximo que os impede de ganhar mais do que o primeiro-ministro, mas, caso a revisão do estatuto proposta pelo PS venha a ser aprovada, termina este impedimento salarial.
Comentários