BP apoia fim do adicional ao ISP por possibilitar maior procura

“Naturalmente, isso seria uma boa opção porque iria aliviar o esforço do consumidor final em seis cêntimos por litro, que foi aquilo que o Governo aumentou há uns tempos”, disse à agência Lusa, o presidente da BP Portugal, Pedro Oliveira.

A BP Portugal apoiou esta terça-feira o fim do adicional ao Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), que está em discussão na Assembleia da República, considerando que a redução no preço, com essa retirada, possibilita o aumento da procura.

“Naturalmente, isso seria uma boa opção porque iria aliviar o esforço do consumidor final em seis cêntimos por litro, que foi aquilo que o Governo aumentou há uns tempos”, disse à agência Lusa, o presidente da BP Portugal, Pedro Oliveira.

Falando à margem da apresentação do estudo BP Statistical Review of World Energy 2018, em Lisboa, o responsável apontou que “um preço mais baixo implica maior procura, não maior margem, mas maior procura”.

O Governo socialista introduziu em 2016 o denominado adicional sobre a gasolina e o gasóleo, quando os preços do petróleo, que, entretanto, foram aumentando, atingiram níveis historicamente baixos, nomeadamente o barril de Brent.

Pedro Oliveira notou que, “quando o imposto aumentou seis cêntimos, o crude estava muito baixo e não teve um impacto relevante”.

Contudo, “quando começámos a atingir níveis de crude como o atual, estes seis cêntimos já começam a fazer uma diferença significativa”, acrescentou.

De acordo com o presidente da BP Portugal, o aumento da carga fiscal “é prejudicial para o negócio”, uma vez que “encarece o produto e destrói procura”.

Ainda assim, apesar de reconhecer este peso dos impostos no preço dos combustíveis, Pedro Oliveira desvalorizou a situação, por este ser “um tema recorrente”.

“É evidente que isso encarece o produto, todos gostaríamos que os impostos fossem mais baixos. Tenho pena que a carga fiscal seja mais elevada nos combustíveis, mas é nos combustíveis como é em tantas outras áreas”, assinalou.

Em junho passado, o parlamento aprovou na generalidade um projeto de resolução do CDS-PP que prevê o fim do adicional ao ISP, com os votos favoráveis do CDS-PP, PSD e PAN, voto contra do PS e a abstenção do PCP, BE e PEV.

Os projetos de resolução não têm força de lei e servem, na maioria das vezes, para fazer recomendações ao Governo, como é este caso.

Esta votação não implica a entrada em vigor da lei. Depois da votação na generalidade, segue-se o trabalho na especialidade, na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, antes de voltar da votação final global no plenário da Assembleia da República.

Apontando que a BP tem investido cerca de 10 a 15 milhões de euros por ano em Portugal, Pedro Oliveira adiantou que a empresa está a remodelar alguns postos existentes no país, que já rondam os 450, não existindo previsão para a abertura de novos espaços.

Ler mais
Relacionadas

Quanto pode poupar com o fim do adicional ao ISP?

Fim do adicional ao Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP) vai permitir uma poupança significativa aos consumidores.

ACP saúda fim da sobretaxa ao imposto sobre os combustíveis

O ACP salienta que com o fim anunciado da sobretaxa ao ISP, “está finalmente aberto o caminho para o Governo reverter a sua política fiscal no que ao setor automóvel diz respeito”.
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários