Brasil anuncia diminuição de 28% da taxa de desflorestação na Amazónia

Dados de satélite demonstram que 159 quilómetros quadrados de floresta protegida foram destruídos entre junho de 2016 e junho de 2017.

O Brasil anunciou que a taxa de desflorestação nas suas áreas de conservação da Amazónia caiu 28% relativamente a 2016, tornando-se no segundo nível mais baixo em décadas.

O anúncio aconteceu na terça-feira à margem da conferência climática global em Bona, na Alemanha, quando a Grã-Bretanha e a Alemanha prometeram 81 milhões de dólares (68,9 mil milhões de euros) e 72 milhões de dólares (61,2 milhões de euros), respetivamente, para combater a desflorestação na região amazónica.

Segundo anunciou o Brasil, dados de satélite demonstram que 159 quilómetros quadrados de floresta protegida foram destruídos entre junho de 2016 e junho de 2017, enquanto a desflorestação registada no período homólogo anterior foi de 221 quilómetros quadrados.

O Brasil está sob pressão internacional, bem como a nível interno, para combater a desflorestação, que é ilegal no país, porque a Amazónia desempenha um papel fundamental no aproveitamento das emissões de carbono e na preservação da biodiversidade.

Recomendadas
Respostas Rápidas: Que produtos foram afetados pelas tarifas dos EUA à China?
Em que ponto está a guerra comercial? Qual a lista de produtos impactados? Como reagiu a China? O que dizem os analistas? Segundo os cálculos do instituto alemão Ifo, estas tarifas irão travar o crescimento da China em 0,1 a 0,2 pontos percentuais e colocar a Europa numa posição mais forte.
Kim Jong-un diz que cimeira com Donald Trump estabilizou a segurança regional
O líder da Coreia do Norte enalteceu hoje a cimeira realizada com Donald Trump, presidente dos EUA, na medida em que estabilizou a segurança regional. Jong-un também disse que espera obter mais progressos na próxima cimeira inter-coreana.
China retalia Estados Unidos com tarifas de 60 mil milhões de dólares
A decisão surge horas depois de a Casa Branca dizer que os Estados Unidos da América iriam impor taxas alfandegárias às importações chinesas no valor de 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 171 mil milhões de euros).
Comentários