Brasil estuda abrir processo contra China na OMC por medidas antidumping

A Câmara de Comércio Exterior brasileira aprovou esta quinta-feira a elaboração de estudos que podem levar a uma reclamação na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a decisão da China de restringir a importação de frango e açúcar brasileiros.

Em maio de 2017, Pequim impôs restrições ao açúcar brasileiro e, há um mês, adotou medidas antidumping (venda abaixo do custo de produção) sobre o frango brasileiro, por considerar que o país sul-americano pratica concorrência desleal.

Desde junho passado, os importadores chineses de frango brasileiro têm de pagar depósitos de 18,8% e 34,4% do valor das compras.

O Brasil é o maior exportador de frango do mundo e fornece mais de 50% do frango importado pela China.

“As medidas de defesa comercial adotadas pela China já foram alvo de oito disputas na OMC e o país asiático foi condenado em todos os casos”, afirmou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços brasileiro, em comunicado.

O Governo brasileiro afirmou já que a decisão de Pequim “carece de fundamento” e argumentou que as importações oriundas do Brasil “em nenhum momento” foram responsáveis pela queda das vendas dos produtores chineses, que cresceram continuamente durante o período sobre o qual incide a investigação.

Recomendadas

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Síria: governo e oposição apoiam o acordo entre a Rússia e a Turquia

Damasco diz que o pacto testará a influência de Ankara em Idlib, enquanto os líderes da oposição a al-Assad no exílio celebram uma vitória contra o ditador.

Coreia do Norte aceita presença de especialistas estrangeiros no desmantelamento nuclear

Anúncio do líder norte-coreano, Kim Jong Un, em conferência de imprensa conjunta com presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, dá mais um passo na revitalização das negociações com os Estados Unidos da América.
Comentários