Brasil vai crescer 2,5% este ano e 2,7% em 2019, diz a Fitch

“A Fitch espera que o crescimento económico continue a recuperar durante o período em análise, chegando a 2,5% em 2018 e 2,7% em 2019”, escrevem os analistas no relatório sobre as Previsões Económicas Mundiais, hoje divulgado.

Reinhard Krause/Reuters
Ler mais

A agência de notação financeira Fitch previu hoje que a economia brasileira cresça 2,5% este ano e 2,7% no próximo ano, alicerçada na retoma do consumo privado e numa contração mais ligeira do investimento.

“A Fitch espera que o crescimento económico continue a recuperar durante o período em análise, chegando a 2,5% em 2018 e 2,7% em 2019”, escrevem os analistas no relatório sobre as Previsões Económicas Mundiais, hoje divulgado.

No documento, que lembra que a economia brasileira já teve uma expansão de 1% no ano passado, depois de dois anos em recessão, os analistas escrevem que o contexto internacional de recuperação na procura mundial ajuda o Brasil e que o panorama interno é também favorável.

“Internamente, a inflação moderada, as reduções nas taxas de juro e as quedas na taxa de desemprego devem sustentar o crescimento do consumo”, lê-se na nota.

O investimento, acrescentam, “também começou a recuperar no segundo semestre do ano passado, e os investimentos de capital devem continuar a beneficiar da aumentada confiança dos empresários e das melhores expetativas para a procura”.

No entanto, alertam os analistas da agência de ‘rating’ Fitch, “a força da recuperação económica pode ser limitada pelas incertezas políticas, orçamentais e em termos de reformas” em ano eleitoral.

Na nota, a Fitch prevê que a economia mundial cresça 3,3% este ano e 3,2% em 2019, o que marca o terceiro ano consecutivo de crescimento acima dos 3%, algo que não tinha ainda acontecido esta década.

Recomendadas

Fitch decide manter ‘rating’ de Moçambique em ‘default’ e prevê dívida nos 102%

“A decisão reflete o falhanço do emissor em resolver o ‘default’ da dívida aos credores comerciais”, escrevem os analistas na nota que explica a decisão, tomada hoje, de manter a avaliação de Moçambique em ‘Incumprimento Seletivo’ (RD – Restricted Default, no original em inglês).

Ex-presidente do Fundo Soberano de Angola vai a tribunal responder pela transferência ilícita de 500 milhões de dólares

O processo envolve o ex-presidente do Conselho de Administração do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos, e já foi remetido para o tribunal, lembrou o vice-procurador-geral da República angolano, Mota Liz.

Cimeira em Pyongyang “consolida passos” no sentido da desnuclearização, realça Governo português

Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) português identifica determinação de ambas as partes em mitigar a tensão entre as duas Coreias.
Comentários