Brexit: Donald Tusk abre a porta a “longa extensão” se Reino Unido repensar estratégia

A proposta de Donald Tusk acontece a poucos dias da cimeira europeia em Bruxelas, e no dia em que o parlamento britânico vai votar o adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, revelou hoje que irá pedir aos líderes dos 27 que aceitem “uma longa extensão” do Brexit caso o Reino Unido a solicite para repensar a sua estratégia e “construir um consenso”.

“Durante as consultas antes do Conselho Europeu, pedirei aos 27 que estejam abertos a uma longa extensão se o Reino Unido a considerar necessária para repensar a sua estratégia do Brexit e construir um consenso sobre ela”, escreveu na sua conta da rede social Twitter.

A proposta de Donald Tusk acontece a poucos dias da cimeira europeia, que decorrerá entre 21 e 22 de março em Bruxelas, e no dia em que o parlamento britânico vai votar o adiamento da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) para uma data posterior a 29 de março, o qual poderá ser longo se não for aprovado um acordo até quarta-feira.

Após uma maioria de 321 deputados contra 278 ter descartado na quarta-feira um Brexit sem acordo, a primeira-ministra admitiu ser inevitável um adiamento da data de saída para além de 29 de março, cuja duração pode variar.

Na moção que apresentou para ser debatida e votada, o Governo de Theresa May sugere pedir à UE uma “prorrogação técnica curta e limitada” de três meses, até 30 de junho, necessária apenas para passar a legislação necessária caso o parlamento aprove um acordo até quarta-feira, 20 de março.

“Se tal não acontecer, então é muito provável que o Conselho Europeu, na sua reunião no dia seguinte, exija um propósito claro para qualquer extensão, nomeadamente para determinar a sua duração”, refere.

O Governo britânico vinca, na sua moção, que qualquer prorrogação para além de 30 de junho exige que o Reino Unido realize eleições para o Parlamento Europeu em maio.

Na declaração que fez após a votação, cujo resultado não é vinculativo, a primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que na lei continua que o Reino Unido vai sair da UE, e que sair com o acordo que o executivo negociou com Bruxelas continua a ser a melhor forma de garantir o ‘Brexit’.

Ler mais
Recomendadas

PS: Pedro Marques poupa palavras no metro de Lisboa mas reforça convicção na vitória

No nono dia de campanha do PS, Pedro Marques elegeu os passes sociais para apelar ao voto nas eleições europeias. Entre o desinteresse e a incerteza de quem passava, o ex-ministro promoveu a medida de reduzir o custo dos passes sociais e ouviu queixas. Mas não se alongou muito e optou por fazer a viagem quase sem falar com os passageiros.

Paulo Sande: “Vamos eleger dois eurodeputados do Aliança e será bom para o país ter uma nova atitude na Europa”

O cabeça-de-lista do novo partido Aliança expressa a sua confiança na obtenção de um bom resultado nas eleições europeias, sublinha a importância de “encontrar um equilíbrio” entre o federalismo e o soberanismo, propõe “deputados-sombra” para assegurar um maior escrutínio e quer que todas as normas europeias sejam avaliadas do ponto de vista do impacto ambiental.

Líder Trabalhista diz que não apoiará nova proposta de acordo de May

Theresa May apresentou hoje uma nova proposta para um acordo do ‘Brexit’, que levará ao Parlamento no próximo dia 03 de junho, mas precisa de uma maioria de deputados Conservadores e Trabalhistas para atingir o objetivo. Corbyn recusa “apoiar uma versão reaproveitada do antigo acordo”.
Comentários