Brexit: Partido Trabalhista vai chumbar acordo e pedir eleições antecipadas

“Se a primeira-ministra é incapaz de negociar um acordo que consiga ganhar uma maioria no parlamento e funcionar para o país todo, o plano alternativo do ‘Labour’ pode e deve tomar o seu lugar”, referiu Jeremy Corbyn, líder do partido Trabalhista britânico.

O partido Trabalhista, principal partido da oposição, vai chumbar o acordo negociado pelo governo britânico para a saída do Reino Unido da União Europeia e quer eleições antecipadas, afirmou hoje o líder, Jeremy Corbyn.

“Se a primeira-ministra é incapaz de negociar um acordo que consiga ganhar uma maioria no parlamento e funcionar para o país todo, o plano alternativo do ‘Labour’ pode e deve tomar o seu lugar”, disse, no encerramento da conferência anual da organização patronal Confederação da Indústria Britânica, em Londres.

A totalidade dos partidos da oposição, dezenas de deputados do partido Conservador e até o Partido Democrata Unionista, cujos 10 deputados sustêm a maioria do governo na Câmara dos Comuns, já afirmaram a intenção de chumbar o texto, pondo em causa a necessária aprovação no parlamento britânico.

Corbyn argumentou a favor de um “acordo sensato” que garanta uma “relação forte” com o mercado único europeu e que mantenha os direitos dos trabalhadores, dos consumidores ou para a proteção do ambiente ao nível dos estabelecidos pela UE

Defendeu ainda “uma nova união aduaneira abrangente e permanente com um poder de decisão britânico em futuros acordos comerciais que assegure que não vai haver uma fronteira física na Irlanda do Norte e evite a necessidade da solução mal negociada pelo governo”.

O líder trabalhista admitiu que, se não forem convocadas eleições legislativas, o partido Trabalhista mantém-se aberto a outras opções, “incluindo alguma forma de voto público”.

O que o ‘Labour’ não aceitará é o cenário da falta de acordo, garantiu, confiante de que “nem o governo nem o parlamento apoiariam um caminho tão extremo e francamente perigoso” e que preocupa os empresários.

“A ameaça simplesmente não é realista. Se o governo acreditasse que a falta de acordo era uma opção genuína, teria feito preparativos sérios, mas não fez”, sublinhou.

A secretária-geral da CBI, Carolyn Fairbairn, comentou na introdução a Corbyn estar em “em desacordo” com “muitos aspectos” das propostas do partido Trabalhista, mas mostrou-se disposta a “continuar a falar”.

Antes, durante a tarde, criticou a intervenção da primeira-ministra, que deu destaque ao controlo da imigração como um dos maiores benefícios do ‘Brexit’ e do acordo de saída da UE.

“No futuro já não será possível aos cidadãos da UE, independentemente das competências ou da experiência que têm a oferecer, poderem passar na fila à frente dos engenheiros de Sydney ou dos programadores de informática de Deli”, prometeu Theresa May.

A diretora da CBI, organização que agrega cerca de 190 mil empresas, lamentou que o governo não esteja a ter em conta as necessidades de empresas de trabalhadores com qualificações menos elevadas, mas igualmente necessárias.

“A livre circulação de pessoas está a acabar e um novo sistema de imigração representa uma mudança sísmica, a que as empresas em todo o país precisam de tempo para se adaptar. Uma falsa escolha entre trabalhadores com qualificações altas e baixas privaria empresas, desde construtoras de casas a prestadoras de cuidados de saúde, de competências vitais que elas precisam para prosperar”, enfatizou.

Ler mais
Relacionadas

Brexit: Ministério das Finanças espera acordo mas prepara planos de contingência

Secretário de Estado das Finanças, que falava à saída de uma reunião do Eurogrupo, sublinhou que todos estão a trabalhar no sentido de fechar “uma solução para o Brexit que seja cooperativa, e que portanto não seja necessário ativar quaisquer planos de contingência”.

Brexit: Responsáveis da UE vão debater extensão do período de transição até 2022

O negociador da União Europeia (EU) para o ‘Brexit’, Michel Barnier, admitiu hoje a possibilidade de prolongar a transição até finais de 2022, uma ideia que será debatida na cimeira de líderes do próximo domingo, para aprovar o esboço do acordo de saída.

Brexit: Acordo em condições de ser aprovado pelos líderes dos 27 no domingo

O projeto de acordo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia “está em condições de ser aprovado pelos chefes de Estado e de Governo” dos 27 na cimeira do próximo domingo, disse hoje em Bruxelas o ministro dos Negócios Estrangeiros.
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.
Comentários