Brexit: Reino Unido aceita fatura de 100 mil milhões de euros para sair da UE

Fontes diplomáticas explicaram ao Financial Times que o pagamento será feito ao longo de várias décadas. Theresa May deverá fazer o anúncio formal na próxima semana.

O Reino Unido decidiu cumprir as exigências financeiras pedidas pela União Europeia pelo Brexit, eliminando assim um dos maiores obstáculos às negociações, segundo garantiram fontes diplomáticas, ao Financial Times. Bruxelas pediu 100 mil milhões de euros, um valor que deverá ser aceite formalmente pela primeira-ministra Theresa May, na próxima semana.

O pagamento da fatura apresentada pela UE será feito ao longo de várias décadas, o que poderá acabar por reduzir o valor para perto de metade, de acordo com as mesmas fontes. Os termos estarão incluídos num pacote de acordos, que está ainda a ser travado por questões como a fronteira entre a Irlanda do Norte e o continente ou os direitos dos cidadãos europeus que vivem no Reino Unido.

Com a notícia, a libra esterlina inverteu a tendência desta terça-feira de desvalorização face ao euro e ao dólar. A moeda britânica aprecia-se 0,66% para 1,12 euros e 0,29% para 1,33 dólares.

No Orçamento do Estado para 2018, o governo britânico decidiu aumentar os fundos que preparam o Brexit, tendo determinado três mil milhões de libras adicionais, que acrescem aos 700 milhões de libras que estavam já previstos, significando um aumento de quase 430%.

O ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, reviu também as previsões de crescimento do Reino Unido. A projeção indica que o produto interno bruto (PIB) cresça 1,5% em 2017, o que significa uma revisão face aos anteriores 2%. Em 2018, a estimativa é de um crescimento do PIB de 1,8%, para voltar a desacelerar para 1,3%, no ano seguinte. Em ambos os casos, são também previsões mais pessimistas que as anteriores.

Recomendadas

Angela Merkel e Boris Johnson consideram prematuro regresso da Rússia ao G7

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disseram esta quarta-feira em Berlim ser prematuro considerar o regresso da Rússia ao G7, uma ideia avançada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Oposição venezuelana anuncia nova fase de mais pressão contra o regime

O presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, disse esta quarta-feira que a oposição tem mantido conversações com o governo dos Estados Unidos e anunciou que chegou o momento de pressionar mais o regime liderado por Nicolás Maduro.

António Guterres participa na cimeira do G7 e intervém sobre biodiversidade e oceanos

O secretário-geral das Nações Unidas vai participar na cimeira do G7, seguindo depois para uma conferência sobre o desenvolvimento africano, no Japão, e ficará três dias na República Democrática do Congo para mobilizar apoio contra a epidemia de Ébola.
Comentários