Brexit sem acordo: CEO do Royal Bank of Scotland avança cenário de recessão

Apesar de todo o otimismo do discurso de Theresa May no encerramento da convenção conservadora, a economia real continua a dar indicações em sentido contrário.

Contrariando o discurso da primeira-ministra Theresa May no encerramento do congresso do Partido Conservador, o CEO do Royal Bank of Scotland (RBS), Ross McEwan, disse esta quinta-feira que um Brexit sem um acordo com Bruxelas poderia mergulhar o Reino Unido numa recessão económica.

“Estamos a trabalhar com um crescimento no próximo ano entre 1% e 1,5%, mas se alguma coisa correr mal com o Brexit, esse crescimento pode ser zero ou mesmo negativo”, disse em entrevista à BBC.

McEwan sublinhou que o cenário de um mau acordo afetaria a rentabilidade e o preço das ações do banco e indicou que a incerteza sobre a saída britânica da União Europeia tornou a instituição mais cautelosa com as suas políticas de empréstimos e que as grandes empresas têm adiaram as suas decisões de investimento.

“As grandes empresas estão a fazer uma pausa, estão a dizer que em vão esperar seis meses até olharem novamente para o Reino Unido e talvez voltarem, mas se a situação for muito má vão investir noutro lugar. Esta é a realidade em que estamos hoje”, disse o CEO do RBS.

No discurso na convenção conservadora, Theresa May afirmou que prefere deixar o bloco da União sem assinar um acordo que seja “um mau negócio” para o seu país. Mas também disse que o Reino Unido tem todas as condições para desenvolver unilateralmente a sua economia, sem ter que se preocupar excessivamente com aquilo que vier a ser alterado com o Brexit.

May chegou mesmo a anunciar o fim da austeridade e a afirmar que o governo vai fazer esforços para incentivar o regresso dos investimentos, seja do ponto de vista empresarial, seja no que tem a ver com a economia das famílias.

Londres e Bruxelas esperam que nas próximas semanas consigam acordar as condições da saída britânica de clube europeu e os fundamentos do seu relacionamento comercial futuro.

Ler mais
Relacionadas

‘To exit or not to exit’

Na UE, os referendos realizam-se sempre em duas voltas, pelo menos. Mas só conta o resultado da segunda, ou seja, aquele que reflete o que pensa o Diretório.

Theresa May não tem “medo de deixar a União Europeia sem acordo”

Numa intervenção que pretendeu ser apaziguadora da reunião dos conservadores britânicos, a primeira-ministra anunciou também o fim da austeridade, lançando pontes para o seu futuro político.

Boris Johnson arrasa Brexit proposto por Theresa May

Perante uma sala que o aplaudiu como ainda não tinha feito a ninguém, o antigo ministro posicionou-se definitivamente como um forte candidato à sucessão da atual primeira-ministra.
Recomendadas

Ministro envolve-se em polémica com filho de Bolsonaro e acaba demitido

Saída do ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno, alegadamente envolvido em transferências monetárias relacionadas com “candidatos fantasma”, é a primeira baixa do executivo que está em funções desde janeiro.

Kim Jong-un não vai desistir das armas nucleares, avisa ex-diplomata da Coreia do Norte

Thae Yong Ho vê no segundo encontro de Kim com Trump uma “faca de dois gumes”. Por um lado – acredita – a cimeira que ocorre no Vietname poderá reforçar a Coreia do Norte como país detentor de armamento nuclear. Por outro, Trump tem o desafio de convencer o líder norte-coreano aceitar um acordo de não proliferação de armas nucleares.

EUA: Bernie Sanders é candidato às presidenciais de 2020

O senador do estado do Vermont, que tentou em 2016 ser o candidato democrata contra Donald Trump mas perdeu para Hillary Clinton, vai tentar pela segunda vez chegar à Casa Branca.
Comentários