Brisa acusa SVP Global de se ter retirado de um acordo para fazer especulação

Brisa repudiou esta tarde, em comunicado, a postura especulativa da SVP Global. “Retirar a concessão é uma ameaça típica de um hedge fund” diz a empresa.

A Brisa, na sequência da notícia publicada hoje no Jornal Económico e no Jornal de Negócios, que deu conta da possibilidade de um grupo de credores em retirar as concessões Brisal e Douro Litoral à Brisa, disse em comunicado que “retirar a concessão é uma ameaça típica de um hedge fund”.

A empresa portuguesa de concessões de autoestradas acusa a SPV Global de se comportar “como um investidor especulador”, porque rompeu unilateralmente um acordo celebrado com a Brisa e que passava por um hair-cut da dívida e um desconto nos custos de operação e manutenção das autoestradas.

Neste contexto, a Brisa repudia a “rentabilidade injustificada” exigida agora pela SVP Global e restantes credores.

“Este hedge funds adquiriram a dívida ‘a desconto’ por cerca de 330 milhões de euros e agora exigem uma recompra por um valor da ordem dos 750 milhões de euros, um ganho de cerca de 100%.

Segundo noticiou o Jornal Económico, o grupo de credores comprou a dívida que aquelas duas concessionárias tinham para com a banca, no valor de 1,6 mil milhões de euros. O grupo de credores comprou assim a dívida com um desconto de 79,5%.

Relacionadas

PremiumCredores exigem 700 milhões de euros à Brisa e ameaçam ficar com concessões

A dívida bancária das concessionárias Brisal e Douro Litoral, de 1,6 mil milhões, que foi comprada pelos fundos, está a criar uma “guerra” entre os credores e a Brisa. Os fundos querem ser pagos, mas pedem um valor que a Brisa considera “inviável”.

Fitch melhorou o rating da Brisa para “A-“

Com esta notação, a Brisa passa a ser, atualmente, a única empresa avaliada a ter uma classificação de rating de nível “A”, mais distante da classificação de “lixo”.
Recomendadas

Google suspende negócios com a Huawei após lista negra de Trump

A Huawei vai perder imediatamente acesso a atualizações do sistema operativo Android, e a próxima versão dos seus smartphones fora da China vai também perder acesso a aplicações e servios, incluindo o Google Play Store e o Gmail app.

Empresas do vinho do Porto satisfeitas com devolução de diploma sobre Casa do Douro

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

Cellnex e DST/Cube avançam para compra da fibra óptica da MEO

Há três candidatos que se preparam para avançar com propostas vinculativas para comprar a rede de fibra ótica da Meo. Entre eles a espanhola Cellnex e a DST em parceria com o Fundo Cube.
Comentários