Brisa acusa SVP Global de se ter retirado de um acordo para fazer especulação

Brisa repudiou esta tarde, em comunicado, a postura especulativa da SVP Global. “Retirar a concessão é uma ameaça típica de um hedge fund” diz a empresa.

A Brisa, na sequência da notícia publicada hoje no Jornal Económico e no Jornal de Negócios, que deu conta da possibilidade de um grupo de credores em retirar as concessões Brisal e Douro Litoral à Brisa, disse em comunicado que “retirar a concessão é uma ameaça típica de um hedge fund”.

A empresa portuguesa de concessões de autoestradas acusa a SPV Global de se comportar “como um investidor especulador”, porque rompeu unilateralmente um acordo celebrado com a Brisa e que passava por um hair-cut da dívida e um desconto nos custos de operação e manutenção das autoestradas.

Neste contexto, a Brisa repudia a “rentabilidade injustificada” exigida agora pela SVP Global e restantes credores.

“Este hedge funds adquiriram a dívida ‘a desconto’ por cerca de 330 milhões de euros e agora exigem uma recompra por um valor da ordem dos 750 milhões de euros, um ganho de cerca de 100%.

Segundo noticiou o Jornal Económico, o grupo de credores comprou a dívida que aquelas duas concessionárias tinham para com a banca, no valor de 1,6 mil milhões de euros. O grupo de credores comprou assim a dívida com um desconto de 79,5%.

Relacionadas

PremiumCredores exigem 700 milhões de euros à Brisa e ameaçam ficar com concessões

A dívida bancária das concessionárias Brisal e Douro Litoral, de 1,6 mil milhões, que foi comprada pelos fundos, está a criar uma “guerra” entre os credores e a Brisa. Os fundos querem ser pagos, mas pedem um valor que a Brisa considera “inviável”.

Fitch melhorou o rating da Brisa para “A-“

Com esta notação, a Brisa passa a ser, atualmente, a única empresa avaliada a ter uma classificação de rating de nível “A”, mais distante da classificação de “lixo”.
Recomendadas

London Stock Exchange coloca Sogrape entre as mil empresas mais inspiradoras

Segundo Fernando da Cunha Guedes, CEO da produtora nacional de vinhos, “este é um reconhecimento muito importante para a Sogrape, que há muito ganhou escala e força internacional, mas continua sempre empenhada em fazer mais e melhor”.

Galpgate. Ex-secretários de Estado poderão ser acusados no âmbito das viagens ao Euro 2016

A juíza Cláudia Pina, do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, recusou o pedido de suspensão provisória do processo. O processo-crime contra os ex-secretários de Estado, Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira e contra o ex-assessor de António Costa e poderão ser acusados pelo crime de recebimento indevido de vantangem.
Comentários