Brisa adere a aliança global por transportes menos poluentes

A Brisa revelou nesta sexta-feira que aderiu à Transport Decarbonisation Alliance, de um grupo de pressão, à escala global, para acelerar a transição para tecnologias limpas na área da mobilidade.

A Brisa – Autoestradas de Portugal aderiu à parceria internacional de países, cidades e empresas para a redução das emissões de carbono relacionada com os transportes. O anúncio foi feito nesta sexta-feira de manhã no Lisbon Mobi Summit, em Lisboa, anunciou a empresa.

“O futuro das nossas sociedades depende da nossa capacidade coletiva para encontrar soluções para os desafios que o mundo enfrenta em matéria de energia e de emissões de dióxido de carbono”, explicou Vasco de Mello, presidente da Brisa.

Segundo este responsável, tal como outras empresas, a Brisa quer contribuir para a solução desses desafios, designadamente no que diz respeito aos transportes e à mobilidade, e em parceria com as cidades e os países.  “A Transport Decarbonisation Alliance é uma iniciativa liderada por Portugal que nos parece fazer todo o sentido”, frisou Vasco de Mello.

A Transport Decarbonisation Alliance é uma iniciativa conjunta de Portugal e de França para o desenvolvimento de soluções que contribuam para reduzir a zero – até ao ano 2050 – as emissões líquidas de dióxido de carbono associadas à mobilidade.

Esta aliança global foi apresentada, em novembro de 2017, na Conferência sobre Alterações Climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU), que decorreu na cidade alemã Bona. Portugal surgiu neste grupo graças à aposta na mobilidade elétrica e energias renováveis.

Quatro países e algumas das principais empresas mundiais do setor dos transportes anunciaram na Conferência sobre Alterações Climáticas da ONU, a criação de um grupo de pressão, à escala global, para acelerar a transição para tecnologias limpas na área da mobilidade.

Portugal é um dos fundadores da TDA – sigla inglesa para Aliança para a Descarbonização dos Transportes -, juntando-se à França, Holanda e à Costa Rica neste esforço pelo cumprimento das metas inscritas no Acordo de Paris.

Ler mais
Recomendadas

Boas notícias para os veraneantes: Praias do Algarve reabrem a banhos depois de maré vermelha

Apesar de as análises não revelarem registo de intoxicação em humanos e de a mancha de microalgas já se ter começado a dissipar, as autoridades aconselham que se evitem banhos nas zonas onde se verifica uma maior densidade de microalgas, sobretudo por crianças e grupos vulneráveis.

Em apenas um dia, 2 mil milhões de toneladas de gelo derreteram na Gronelândia

A imagem foi tirada por um investigador dinamarquês. 712.000 quilómetros da superfície da Gronelândia derreteu a 12 de junho, o que representa cerca de 40% da área congelada daquela região.

Portugal tem 80% da água de que precisa para o verão, garante ministro do Ambiente 

Matos Fernandes admitiu, contudo, que nos “pequenos aglomerados” em que a população aumenta durante as festas de verão, “normalmente na raia”, poderá haver falta de água
Comentários