Brisa: tráfego aumentou 4,2% nos primeiros nove meses de 2018

Relatório enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) da concessionária rodoviária indica que esta subida é suportada por um forte crescimento orgânico. No período homólogo registou-se uma desaceleração do crescimento de 2,3%.

O tráfego rodoviário na rede concessionada à Brisa – Auto-estradas de Portugal aumentou 4,2% nos primeiros nove meses deste ano, face a igual período do ano passado, revelam os dados divulgados pela Brisa Auto-estradas de Portugal esta quarta-feira, 7 de novrmbro, através da  Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Esta evolução representa uma desaceleração de 2,3 pontos percentuais face á taxa de crescimento registada nos primeiros três trimestres do ano passado.

No que diz respeito ao tráfego médio diário, todas as autoestradas nacionais registaram taxas de crescimento positivas nos primeiros nove meses de 2018, com uma média de 21.087 automóveis em circulação, uma tendência que tem vindo a ser verificada nos últimos anos.

Das 11 autoestradas analisadas a A9 é aquela que permanece com uma taxa de crescimento elevada de tráfego médio diário (21.787 veículos), muito por culpa do IC17/CRIL. Já a A5 (70.130 automóveis) é aquela que mais circulação tem diariamente, durante o período em análise.

Relacionadas

Mobilidade é a aposta da Brisa na Web Summit

Empresa terá um stand no Pavilhão 3 com o objetivo de “maximizar oportunidades de negócio e dar a conhecer as novas soluções de mobilidade que a Brisa colocado no mercado, quer ao nível de serviços, com a marca Via Verde, quer através de soluções tecnológicas, com a marca A-to-Be”.
Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

Programa de aceleração de ‘startups’ de restauração anuncia hoje os dois projetos vencedores

É a primeira edição do novo programa de aceleração da responsabilidade da Startup Lisboa, que contou com a participação de 22 concorrentes, no segmento ‘tech’ e não ‘tech’.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.
Comentários