Bruxelas anuncia novo mecanismo de apoio a startups e PME do mar

Apesar de não querer “falar muito sobre” sobre este mecanismo, o comissário europeu adiantou que a ferramenta de assistência técnica estará operacional ainda antes do verão.

A Comissão Europeia anunciou esta quinta-feira que vai lançar um novo Mecanismo de Assistência Técnica para o Investimento na Economia Azul destinada a startups e pequenas e médias empresas (PME) ligadas às atividades do mar. Segundo esta instituição europeia, a ferramenta estará operacional ainda antes do verão e ajudará estes micronegócios e PME a escalar, para se “tornarem elegíveis para chamadas futuras dentro de uma Plataforma de Investimento da Economia Azul planeada”.

Ou seja, para que se tornem financiáveis e, depois, “numa segunda fase, candidatarem-se a financiamento de uma Plataforma de Investimento dedicada à economia azul”, que Bruxelas está a planear criar com a ajuda do Banco Europeu de Investimento. A informação foi transmitida pelo comissário europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, que, ainda assim, não divulgou mais pormenores. Karmenu Vella está em Portugal em representação da Comissão Europeia, no âmbito do Dia Europeu do Mar, e fez questão de fazer referência às dificuldades que estes ‘empreendedores azuis’ ainda sentem.

“Sabemos que as startups e as pequenas empresas na economia azul, muitas vezes, lutam para tirar as boas ideias do chão”, garantiu, na cerimónia que decorre no Centro de Congressos de Lisboa. “É por isso que a Comissão Europeia está a desenvolver uma ferramenta de apoio rápida ao investimento, para ajudá-las a amadurecer e, eventualmente, aceder ao financiamento de que precisam para crescer”, explicou o comissário Karmenu Vella, esta manhã, na abertura da conferência.

O Dia Marítimo Europeu, estabelecido em 2008, representa um ponto de encontro anual para profissionais, empresários e líderes políticos ligados aos mares e oceanos. A capital portuguesa receberá, ao longo dos próximos dois dias, mais de 1.400 participantes de 53 países, mais de uma centena de oradores, 28 workshops e 21 pitchs. Bruxelas escolheu Portugal para receber a edição de 2019 deste evento, este ano focado essencialmente em impulsionar a economia marítima sustentável através do empreendedorismo, do investimento, da investigação e da inovação.

Relacionadas

Economia do mar emprega quase 181 mil pessoas em Portugal

O turismo costeiro – que contribuiu com 74% para o total de empregos nas atividades ligadas ao mar e por 66% dos lucros em 2017 –, e os recursos vivos são os principais motores das atividades económicas nacionais ligadas aos mares e oceanos, segundo um estudo da Comissão Europeia divulgado esta quinta-feira.

Mais de 200 milhões de europeus vivem nas zonas costeiras

Os setores tradicionais da economia azul europeia (recursos vivos marinhos, extração marinha de recursos não vivos, transporte marítimo, atividades portuárias, construção naval e reparação e turismo costeiro) geraram 180 mil milhões de euros de Valor Acrescentado Bruto, concluiu o relatório da Comissão Europeia, apresentado âmbito do Dia Marítimo Europeu, que se celebra em Lisboa.
Recomendadas

A organização orientada ao cliente

Para ser orientada ao cliente, uma empresa não precisa de criar novas competências técnicas, apenas de se reorganizar para criar vantagens competitivas sustentáveis face à concorrência.

PremiumTomás Correia impugna condenação do Banco de Portugal

O atual presidente da Associação Mutualista Montepio Geral entregou no fim de maio no Tribunal de Santarém a ação de impugnação do processo de contraordenação que aplicou uma multa de 1,25 milhões. O Jornal Económico sabe a juíza aceitou a ação de impugnação e, “ao contrário do Ministério Público vai chamar testemunhas”, diz fonte conhecedora do processo.

Lista secreta de devedores da banca deverá ser hoje divulgada de forma agregada, sem nomes e créditos individuais

Só deverão ser divulgados dados agregados, não individualizando devedores e respectivas operações dos sete bancos que receberam ajudas públicas nos últimos 12 anos. Valor total de créditos concedidos e valor agregado de perdas deverão ser hoje conhecidos.
Comentários