Bruxelas pede “reformas ambiciosas” em carta enviada a Centeno

Após ter subido a categoria de Portugal nas previsões de inverno, na semana passada, a Comissão Europeia enviou esta quarta-feira uma carta ao Governo em que alerta para os riscos ainda existentes.

Ler mais

A Comissão Europeia enviou esta quarta-feira uma carta ao Governo, em que pedir um plano ambicioso e detalhado de reformas. A missiva, dirigida a Mário Centeno, segue-se à decisão da instituição de deixar de monitorizar Portugal por desequilíbrios macroeconómicos excessivos, passando o país para a categoria de desequilíbrios excessivos, na apresentação do Pacote de Inverno do Semestre Europeu, na semana passada.

“Com esta decisão, o Colégio reconheceu que o equilíbrio de riscos em termos de dívida privada, pública e externa está a diminuir no contexto de condições macroeconómicas e financeiras favoráveis e devido às políticas adotadas ao longo do tempo”, nota a Comissão sobre a decisão, na carta em questão, assinada pelo vice-presidente Valdis Dombrovskis e pelo comissário dos Assuntos Económicos e Financeiros Pierre Moscovici.

No entanto, Bruxelas “encoraja o governo a continuar o caminho de reformas”, pois considera que o elevado endividamento continua a ser a principal fragilidade do país.

Especificamente, a Comissão aconselha que o Executivo de António Costa mantenha a estratégia orçamental de redução da dívida, para abaixo de 125% do PIB, bem como o reforço das folhas de balanço dos bancos portugueses (através da redução do peso do crédito malparado). Dombrovskis e Moscovici referem ainda a necessidade de aumentar produtividade para fazer crescer competitividade e salários.

“Neste cenário, a Comissão pede às autoridades portuguesas que submetam um Programa Nacional de Reformas e um Programa de Estabilidade ambiciosos e detalhados, com vista a sustentar a correção sustentável dos desequilíbrios. A Comissão irá monitorizar de perto a ação política e a evolução dos desequilíbrios no contexto de monitorização específico”, acrescentam.

Na apresentação do Pacote de Inverno do Semestre Europeu, na semana passada, a instituição europeia anunciou que Portugal, Bulgária e França mostraram uma diminuição dos desequilíbrios no ano passado, enquanto a Eslovénia já não tinha desequilíbrios excessivos. O grupo dos desequilíbrios excessivos fica agora composto por Croácia, Chipre e Itália.

A Grécia fica de fora da análise já que os desequilíbrios macroeconómicos estão a ser monitorizados no quadro do programa de ajustamento em curso.

[Notícia atualizada às 15h05]

Relacionadas

Respostas Rápidas: o que é que mudou para Bruxelas subir a categoria de Portugal?

Portugal passou a ser monitorizado por desequilíbrios macroeconómicos, um grau acima do anterior patamar de “desequilíbrios macroeconómicos excessivos”. As recomendações sobre necessidade de reformas mantém-se, mas houve melhorias em várias áreas.

Dívida, produtividade e desigualdade: os desafios que Bruxelas vê para Portugal

A Comissão Europeia elogiou a retoma da economia, mas alertou para alguns desafios cruciais que o país terá que ultrapassar para diminuir os riscos de uma desaceleração caso o ambiente externo se altere.

Bruxelas: Portugal deixa de ser monitorizado por desequilíbrios macroeconómicos excessivos

Na apresentação do Pacote de Inverno do Semestre Europeu, Valdis Dombrovskis referiu que há “boas notícias” para quatro Estados-membros. Portugal, Bulgária e França passaram à categoria acima, enquanto a Eslovénia saltou dois patamares.
Recomendadas

Trump sobre Maduro: poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano

Trump, que hoje interveio no primeiro dia do Debate Geral na 73.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, declarou esta terça-feira que a situação na Venezuela é “um caso triste” que deseja “ver resolvido”.

“Querem atacar-me, ataquem-me a mim”. Maduro critica Departamento do Tesouro norte-americano

O primeiro mandatário venezuelano reagia ao anúncio de hoje, de novas sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) contra quatro pessoas do seu Governo, entre elas Cília Adela Flores de Maduro.

Ex-primeiro francês quer ser presidente da câmara municipal de Barcelona

“Quero ser o próximo presidente de câmara de Barcelona“, disse Manuel Vals, em catalão, numa cerimónia pública no Centro de Cultura Contemporânea da capital da Catalunha, colocando fim a vários meses de dúvida em relação às suas intenções de regressar à cidade em que nasceu há 56 anos.
Comentários