Bruxelas revê em baixa previsão de crescimento de Portugal para 2,2%

Nas previsões de verão, divulgadas hoje, a Comissão Europeia prevê que a economia portuguesa cresça a um ritmo uma décima inferior ao estimado pelo governo.

A Comissão Europeia está ligeiramente mais pessimista e reviu em baixa de uma décima o crescimento da economia portuguesa para este ano, para 2,2%, depois de um “arranque suave” de 2018 e espera um abrandamento da criação de emprego.

Nas previsões de verão, divulgadas esta quinta-feira, Bruxelas piora a sua estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português de 2,3% para 2,2%, ficando agora ligeiramente abaixo do que estima o Governo de António Costa (que é 2,3%).

“O crescimento do PIB português abrandou para 2,1% (em cadeia) no primeiro trimestre de 2018, devido sobretudo a um enfraquecimento das exportações líquidas. Parte da moderação é explicada por fatores temporários, como más condições meteorológicas que afetaram a construção e a atividade portuária”, explica a Comissão.

Relacionadas

Evolução da economia estabilizou em junho, assinala ISEG

Índice de confiança dos economistas do Instituto Superior de Economia e Gestão relativo à evolução da atividade económica portuguesa no curto prazo foi de 35,5, o mesmo valor que em maio.

ISEG revê em baixa projeção de crescimento económico português

Os economistas do ISEG apontam para um crescimento do produto interno bruto este ano entre 2,2% e 2,6%, mas sublinham que a projeção é condicionada por um fator de incerteza adicional resultante do atual momento de tensão nas relações comerciais internacionais.
Recomendadas

Desemprego em agosto cai 19% face ao mês homólogo de 2017

Tendência anual de um aumento ligeiro do desemprego no mês de agosto face ao mês de julho regista-se novamente, com um aumento de 2,3% em agosto face ao mês anterior.

“Aqueles que reinam no céu também devem ser responsáveis no solo”. Bruxelas desafia Ryanair

“A Ryanair diz-nos que tem o seu modelo de negócios ‘low cost’ (baixo custo). Muito bem, respeitamos. Mas vemos que outras companhias ‘low cost’ na UE trabalham com contratos locais, por isso a minha questão à Ryanair é: «do que é que estão à espera?»”, realçou a comissária europeia responsável pelo Emprego.

Lei ‘Uber’: PCP vai propor revogação da lei

“Consideramos que já muito mal foi feito, mas ainda vamos a tempo de evitar o agravamento de problemas e a situação gravíssima que está em perspetiva para aquele setor”, anunciou o deputado Bruno Dias.
Comentários