Cabo Verde acredita que turismo étnico pode valorizar ilha de Santo Antão

Operadores turísticos e governo cabo-verdiano acham que a presença judaica na ilha traz oportunidades para desenvolver o local.

O turismo étnico, com o aproveitamento da chegada do povo judaico em Santo Antão, no século XIX, pode, ao lado do turismo ecológico, fazer desta ilha um destino de férias e passeio em Cabo Verde, perspetivam o governo e os próprios operadores.

Os operadores turísticos em Santo Antão acreditam que a presença dos judeus nesta ilha constitui “um potencial produto turístico” e “uma oportunidade” de promoção de Santo Antão, como “uma das ilhas mais belas do mundo”.

O próprio governo, no quadro do Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (PEDS) de Cabo Verde (2017-2021), enaltece as condições que Santo Antão apresenta em termos de incremento deste tipo de turismo, defende a necessidade de se aproveitar a presença judaica em Santo Antão para a promoção desta região como um destino turístico.

O acervo patrimonial da herança judaica em Cabo Verde foi declarado, em julho de 2017, património histórico e cultural nacional (PHCN) pelo governo de Cabo Verde, uma classificação que, além de preservar a memória judaica no país, visou também potencializar este legado a nível turístico.

O presidente do Instituto do Património Cultural, Hamilton Jair Fernandes, aproveitando a sua estada em Santo Antão, visitou, segunda-feira, o cemitério judeu em Ponta de Sol, classificado como património nacional, tendo destacado a importância que a chegada do povo judaico teve para Cabo Verde.

Para este responsável, valorizar esse aspecto é “alavancar um nicho do turismo de alto valor acrescentado” no país.

Um total de 14.486 turistas visitou Santo Antão durante o primeiro trimestre de 2019, registando um aumento de mais de 61% em comparação com o período homologo de 2018.

Para o governo cabo-verdiano, Santo Antão é uma das ilhas onde o turismo mais tem crescido, nos últimos anos, encontrando-se esta região na “pelotão de frente” do turismo ecológico.

Ler mais
Recomendadas

BICV e Ecobank emprestam 21 milhões de euros à Cabo Verde Airlines

Os representantes dos bancos, BICV e Ecobank, que vão assegurar este financiamento assumiram acreditar no projeto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

Governo de Cabo Verde vai impedir interferência na aprovação do orçamento do banco central

Segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, os órgãos do Banco de Cabo Verde terão “todos os poderes para fazer a gestão da instituição e prestar contas às entidades externas nos termos que a lei dispõe”.

Ulisses Correia: “É preciso investir mais nas posturas municipais e na autonomia das famílias”

O primeiro-ministro de Cabo Verde disse afirma que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.
Comentários