Cabo Verde acredita que turismo étnico pode valorizar ilha de Santo Antão

Operadores turísticos e governo cabo-verdiano acham que a presença judaica na ilha traz oportunidades para desenvolver o local.

O turismo étnico, com o aproveitamento da chegada do povo judaico em Santo Antão, no século XIX, pode, ao lado do turismo ecológico, fazer desta ilha um destino de férias e passeio em Cabo Verde, perspetivam o governo e os próprios operadores.

Os operadores turísticos em Santo Antão acreditam que a presença dos judeus nesta ilha constitui “um potencial produto turístico” e “uma oportunidade” de promoção de Santo Antão, como “uma das ilhas mais belas do mundo”.

O próprio governo, no quadro do Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (PEDS) de Cabo Verde (2017-2021), enaltece as condições que Santo Antão apresenta em termos de incremento deste tipo de turismo, defende a necessidade de se aproveitar a presença judaica em Santo Antão para a promoção desta região como um destino turístico.

O acervo patrimonial da herança judaica em Cabo Verde foi declarado, em julho de 2017, património histórico e cultural nacional (PHCN) pelo governo de Cabo Verde, uma classificação que, além de preservar a memória judaica no país, visou também potencializar este legado a nível turístico.

O presidente do Instituto do Património Cultural, Hamilton Jair Fernandes, aproveitando a sua estada em Santo Antão, visitou, segunda-feira, o cemitério judeu em Ponta de Sol, classificado como património nacional, tendo destacado a importância que a chegada do povo judaico teve para Cabo Verde.

Para este responsável, valorizar esse aspecto é “alavancar um nicho do turismo de alto valor acrescentado” no país.

Um total de 14.486 turistas visitou Santo Antão durante o primeiro trimestre de 2019, registando um aumento de mais de 61% em comparação com o período homologo de 2018.

Para o governo cabo-verdiano, Santo Antão é uma das ilhas onde o turismo mais tem crescido, nos últimos anos, encontrando-se esta região na “pelotão de frente” do turismo ecológico.

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que Angola vive em “instabilidade”

“Estão a viver-se momentos difíceis, não há dúvida. Estamos a viver momentos de grandes dúvidas e o que é fundamental e importante é que se respeite o Estado de Direito. É muito importante que se respeitem as leis, é muito importante que não haja atropelos entre os três poderes, que as pessoas tenham confiança na Justiça”, diz empresária angolana.

Isabel dos Santos diz que não usa dinheiro público angolano para investir

“Trabalho com bancos em Cabo Verde, com bancos em outros países africanos, bancos que nos apoiam, que acreditam nos projetos, que acreditam na validade dos projetos que nós propomos. Portanto, tenho muitas dívidas”, afirma a empresária angolana.

Capital da CV Telecom vai ser dispersado em 2020

O ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, anunciou esta sexta-feira na conferência da Lusa que em 2020 o capital da CV Telecom será dispersado em bolsa, através de convite a empresas estrangeiras.
Comentários