Cabo Verde aprova programa com 5 milhões de euros para combate à seca e mau ano agrícola

Em conferência de imprensa, o porta-voz do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, explicou que o valor será distribuído por três áreas: pecuária e manutenção da capacidade produtiva com cerca de 882 mil euros, mobilização da água e a sua gestão 2 milhões de euros e criação de emprego 2,1 milhões euros.

O Governo cabo-verdiano aprovou um programa de 5 milões e 100 mil euros para combater a seca e o mau ano agrícola que atingiu o país no ano passado. O valor aprovado, no último Conselho de Ministros, destina-se a todas as ilhas do país, com incidência para os concelhos de Porto Novo, em Santo Antão, e os municípios do Tarrafal, São Miguel e Santa Catarina, na ilha de Santiago, os mais afetados pela seca.

Em conferência de imprensa, o porta-voz do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, explicou que o valor será distribuído por três áreas: pecuária e manutenção da capacidade produtiva com cerca de 882 mil euros, mobilização da água e a sua gestão 2 milhões de euros e criação de emprego 2,1 milhões euros.

De acordo com Fernando Elísio Freire, o Governo acredita que desta forma “está a atenuar os problemas no mundo rural e a manter a produção agrícola em níveis que possam satisfazer as necessidades das famílias e da população”.

Comparando o programa de mitigação da seca de 2018 com o de 2019, Fernando Elísio Freire aponta que no deste ano “todos os procedimentos serão os menos burocráticos possíveis e com um conjunto de medidas, tomadas a nível do Orçamento do Estado, que têm a ver com a melhoria da capacidade de produção agrícola, da aquisição de equipamentos agrícolas e de produção na área da pecuária”.

O representante do Conselho de Ministros aponta que o governo está a agir “em tempo e com medidas estruturantes” e que este ano a situação agrícola do país é muito melhor porque no ano passado foram tomadas medidas para atenuar a situação no mundo rural. Porém, reconheceu, que há um “conjunto de fatores que não se consegue controlar porque a questão da seca é muito profunda e mexe com a vida de muitas famílias”.

A seu ver, o programa de mitigação da seca do ano passado foi “um programa de sucesso”, embora o sucesso não significa que foi a 100 %, porque há sempre aspetos a melhor, entre os quais a distribuição dos vales cheque para compra de ração para os animais, que mereceu critica dos criadores de gado, que o Executivo cabo-verdiano está disposto a rever.

O financiamento do programa de mitigação da seca será feito com recursos internos do Estado e a remanescente por via ao financiamento externo, referiu ainda Fernando Elísio Freire.

Depois da severa seca de 2017, o ano passado o tempo seco atingiu também todas as ilhas, mas com menos gravidade em algumas regiões deste país africano.

Ler mais
Recomendadas

Movimento cívico alerta para consequências da exploração de lítio na Serra d’Arga

A ação, promovida pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, pretende sensibilizar para a “calamidade da exploração mineira massiva” na serra d’Arga e “parar” um projeto que “põe em causa 20%” daquele território.

Santander lidera ranking da sustentabilidade do Dow Jones Sustainability Index

Este índice, de referência de âmbito internacional, coloca pela primeira vez o Santander no topo a nível global e líder na Europa pelo segundo ano consecutivo, depois de avaliar o comportamento sustentável do grupo nas dimensões económica, ambiental e social.

Emissões de gases poluentes recuam na UE e em Portugal

Entre 1990 e 2017, as emissões de óxido de enxofre (SOx) na UE passaram de 5,42 mil toneladas para 2,3 mil toneladas, com Portugal a apresentar uma redução acima da média europeia.
Comentários