Cabo Verde: Câmara Municipal de São Vicente proíbe vendas informais em Torrada

“Apesar de sabermos que o comércio informal é extremamente importante para a economia da ilha, mas existem normas a serem seguidas para vendas de produtos, ainda mais alimentícios”, advogou o vereador da Fiscalização, António Carlos da Luz.

A Câmara Municipal de São Vicente vai proibir, a partir desta segunda-feira, a venda informal de produtos alimentícios na zona de Torrada, que deverá ser feito, doravante, apenas nos mercados municipais. A venda, conforme o vereador da Fiscalização, António Carlos da Luz, avançou à Inforpress, está terminantemente proibida neste local, perto da Copa, que no início apenas servia para descargas de produtos, mas depois transformou-se num “mercado a céu aberto” e que faz “concorrência” aos outros mercados, onde os utentes pagam taxas diárias.

“Apesar de sabermos que o comércio informal é extremamente importante para a economia da ilha, mas existem normas a serem seguidas para vendas de produtos, ainda mais alimentícios”, advogou o responsável.

A câmara municipal tomou agora esta medida, mas, segundo a mesma fonte, apresentou alternativas como o mercados de Ribeirinha, central, de Monte Sossego e o da Praça Estrela, que devem ser utilizados para se fazer as descargas, enquanto as vendas passam a ser feitas “apenas nos mercados municipais”.

E como forma de se preparar, uma equipa da câmara esteve nesta sexta-feira no local para uma campanha de sensibilização e que teve, ajuntou, a compreensão das vendedeiras, que, assegurou, “reagiram bem”.

“Elas estão conscientes que ali não reúne as condições de higiene e sanitárias para se fazer essa actividade. Por isso, acredito que não haverá qualquer problema”, considerou José Carlos da Luz, referindo-se a coimas de cinco mil a cem mil escudos, mas que pensam não ter necessidade de aplicar.

Neste sentido, para demover a continuidade desta prática, o vereador aproveitou para apelar a todas as donas de casas e a população a fazerem compras nos mercados, que são os “lugares ideais”. A edilidade, por outro lado, promete mão dura sobre a venda de roupas e calçados nas ruas do Mindelo, que já se tornou algo corriqueiro em São Vicente e visto em todas as zonas da ilha.

“Isso não fazia parte da cultura de São Vicente e por isso vamos atacar brevemente para tirar essas vendas da rua”, garantiu, adiantando que neste caso também vão ser apresentadas alternativas, entre as quais a organização de feiras aos fins-de-semana nos mercados de Ribeirinha e Monte Sossego.

Esta medida que, segundo a mesma fonte, deverá ser posta em prática a partir do dia 10, mas, por agora, a câmara municipal aposta na “sensibilização”, para levar as pessoas a entenderem que “não é a melhor forma” de se fazer a venda de mercadorias.

Ler mais
Recomendadas

Cerimónia fúnebre de Dom Paulino Évora reúne centenas de pessoas na Praia

A ilha de Santiago disse adeus ao primeiro bispo de Cabo Verde. Dom Paulino Évora foi ordenado sacerdote em Portugal em 1962.

Jogos Africanos de Praia fazem de Cabo Verde destino desportivo

“Esta aposta vale a pena porque está dentro da estratégia de tornar Cabo Verde num país relevante no mundo de organizações de eventos desportivos”, disse o ministro do Desporto cabo-verdiano.

Empresas privadas com “expectativas enormes” sobre fórum de investimento em Cabo Verde

O Cabo Verde Investment Forum está agendado para os próximos dias 1, 2 e 3 de julho. “A questão do financiamento continua a ser um dos grandes desafios para o sector privado nacional”, disse o secretário-geral da Câmara de Comércio de Sotavento.
Comentários